Meghan Markle e Harry de Inglaterra com Oprah Winfrey

Meghan Markle e Harry de Inglaterra com Oprah Winfrey

Handout

Este domingo, 14 de março, a SIC exibiu na íntegra a polémica entrevista de Meghan Markle e o príncipe Harry de Inglaterra a Oprah Winfrey. A primeira grande entrevista do casal após a mudança para os Estados Unidos e que está a agitar a realeza britânica.

Numa conversa onde nada ficou de fora, os duques de Sussex fizeram revelações inesperadas. Além de revelar o sexo do segundo filho, Meghan Markle assumiu que pensou em suicídio ,que Kate Middleton a fez chorar antes do seu casamento e ainda acusou a família real de racismo.
Ainda que a entrevista tenha sido pautada por polémica e críticas em torno da família real, Meghan e Harry desfizeram-se em elogios a Isabel II, que dizem ter sido "fantástica" ao longo dos últimos quatro anos.

1. O momento em que Meghan conhece Isabel II

Depois de assumida a relação, eis que chega o momento de conhecer a família, em particular Isabel II. Um momento que a duquesa de Sussex recorda como "agradável", garantindo ainda que a monarca foi "sempre maravilhosa" consigo.

"Na verdade, não houve um grande formalismo quando conheci sua majestade, a rainha. Íamos almoçar em Royal Lodge, onde moram outros membros da realeza, nomeadamente o príncipe André e a Fergie. E a Eugenie e a Beatrice também passavam lá muito tempo. Eu e a Eugenie já nos conhecíamos antes de eu conhecer o Harry, portanto, por aí, estava confortável e éramos amigos deles enquanto casal", começou por contar.
"Acontece que a rainha estava a terminar um serviço religioso, em Windsor e, portanto, ia estar em casa. Lembro-me que o Harry e eu estávamos no carro e ele disse: ' A minha avó vai lá estar, vais poder conhecê-la' . 'Que bom! Adoro avós. Adorava a minha avó, costumava tratar dela, que bom' [...] E ele: 'Sabes fazer uma vénia?'. Eu achava, sinceramente, que isso acontecia cá fora, que fazia parte do cerimonial, não pensei que isso acontecesse dentro de portas, e disse: "Mas é a tua avó'. E ele: 'É a rainha'. E esse foi o primeiro momento em que me caiu a ficha", prosseguiu.
"Treinei rapidamente, entrámos e conheci-a. E, aparentemente, fiz uma vênia muito reverente [...] Sentámo-nos a conversar. E foi agradável, confortável...E pensei: 'Ainda bem que não sabia muito sobre a família, ainda bem que não tinha feito pesquisa'. Teria ficado muito constrangida com tudo aquilo" , recordou.
Meghan Markle, Harry e Isabel II de Inglaterra

Meghan Markle, Harry e Isabel II de Inglaterra

2. O casamento em segredo

Uma das revelações inesperadas de Harry e Meghan foi o facto de ambos terem trocado alianças dias antes da cerimónia oficial que decorreu na capela de Saint George, no Castelo de Windsor, perante o olhar atento de milhões de pessoas em todo o mundo.

"Três dias antes do nosso casamento, nós casámos. Ninguém sabe isso, mas nós ligámos ao arcebispo e dissemos: 'Esta coisa, este espetáculo é para o mundo, mas nós queremos a nossa união, entre nós [...] Os votos que temos emoldurados no nosso quarto são de nós os dois no pátio com o arcebispo da Cantuária", contou a duquesa de Sussex.

Meghan Markle e o príncipe Harry de Inglaterra

Meghan Markle e o príncipe Harry de Inglaterra

Getty Images

3. O desentendimento com Kate Middleton

Seis meses depois do casamento dos duques de Sussex, em maio de 2018, os jornais britânicos encheram-se de notícias sobre um alegado desentendimento entre Meghan Markle e a cunhada, Kate Middleton, que teria acabado com a duquesa de Cambridge em lágrimas. Na entrevista a Oprah Winfrey, a mulher de Harry garantiu que aconteceu precisamente o inverso.

"Não digo isto para ofender ninguém, mas foi uma semana realmente difícil antes do casamento. E ela estava chateada com alguma coisa, mas ela reconheceu e pediu desculpas. Comprou-me flores e escreveu um bilhete, a desculpar-se. Ela fez o que eu teria feito se soubesse que tinha magoado alguém, retratou-se. […] Dias antes do casamento ela estava aborrecida com alguma coisa – era uma questão pertinente, sim – relacionada com os vestidos das meninas das flores e fez-me chorar. Aquilo magoou-me. E eu pensei que, olhando a tudo o que estava acontecer naqueles dias, não era justo ela não tentar fazer o que toda a gente estava a fazer, que era apoiar-me, sabendo de toda a situação do meu pai e tudo isso. […] Não foi uma discussão… E na realidade não acho que seja justo entrar em detalhes porque ela pediu desculpas. […] O que foi difícil foi ultrapassar o facto de ser acusada de fazer algo que me aconteceu a mim. Pessoas que participaram no nosso casamento disseram à nossa equipa de comunicação que aquilo não tinha acontecido, mas eu não era obrigada a dizer o que realmente se tinha passado”, revelou, acrescentando que este momento se tornou num "ponto de viragem" na sua relação com a família real.

Karwai Tang

4. Meghan diz ter-se sentido "silenciada"

Inicialmente, Meghan Markle sentiu que estava protegida pela família real, porém, depois do casamento com Harry, a norte-americana começou a pensar de forma diferente.

"Toda a gente do meu mundo recebeu diretrizes muito diretas, desde o momento em que se soube que o Harry e eu namorávamos. Para dizer sempre: 'sem comentários' [...] E nós assim fizemos. Eu fazia tudo o que me diziam para fazer. Claro que fazia. Porque era sempre sob o prisma 'nós protegemos-te'", revelou.

"Só depois de termos casado e de tudo ter começado a piorar que a partir daí, é que percebi que não estava a ser protegida. Eles [família real ] estavam dispostos a mentir para proteger outros membros da família, mas não estavam dispostos a contar a verdade para me protegerem a mim e ao meu marido", acrescentou.

Por estes motivos, Meghan afirma ter sido "silenciada" ao longo deste anos. Todavia, a norte-americana fez questão de diferenciar a família real e as pessoas que geram a "firma". "Há a família e, depois, há as pessoas que gerem a instituição. São duas coisas separadas. É importante saber distingui-las. A rainha, por exemplo foi sempre maravilhosa comigo", explicou.

Handout

5. As acusações de racismo durante a primeira gravidez de Meghan

"Nos meus meses de gravidez, mais ou menos na mesma altura, em paralelo, havia a conversa em como ele não teria segurança, não receberia um título e também preocupações e conversas sobre se a sua pele [referindo-se a Archie] seria muito escura, quando nascesse", revelou Meghan, deixando Oprah Winfrey visivelmente perplexa.

"São conversas que a família teve com ele [Harry]. E acho que...Foi muito difícil encarar essas conversas como compartimentadas", acrescentou ainda a duquesa.

Apesar da revelação, Harry e Meghan recusaram-se a revelar os nomes de quem manifestou estas "preocupações". Depois da exibição da entrevista nos Estados Unidos, Oprah Winfrey fez questão de passar uma mensagem de Harry, sublinhando que nem Isabel II, nem o marido, o duque de Edimburgo, fizeram comentários sobre a cor da pele de Archie.

Harry e Meghan com o filho, Archie, durante uma visita oficial à África do Sul, em 2019

Harry e Meghan com o filho, Archie, durante uma visita oficial à África do Sul, em 2019

Pool/Samir Hussein

7. A revelação do sexo do segundo filho

Depois de um aborto espontâneo sofrido no verão passado, Meghan e Harry têm motivos para sorrir. O casal prepara-se para dar as boas-vindas ao segundo filho, que se vem juntar a Archie, de quase dois anos. Durante a conversa com Oprah Winfrey, os duques de Sussex revelaram que aguardam o nascimento de uma menina.

"Foi fabuloso. Senti-me grato. Ter um filho ou dois, meninos ou meninas, seria fabuloso, mas ter um menino e depois uma menina, que mais se pode pedir?", declarou Harry, adiantando que o nascimento da bebé está previsto para o verão.

Handout

6. Os pensamentos suicidas e a saúde mental

A pressão por fazer parte da realeza britânica e a relação com os tabloides britânicos levaram a que a saúde mental de Meghan começasse a fraquejar. A duquesa revelou mesmo ter tido sentimentos suicidas, sentindo-se completamente desamparada pela família real.

"Levantava-me da cama à noite e pensava: 'Não compreendo como é que isto tudo está a ser manipulado'. E, de novo, eu não assistia a isso, mas é quase pior quando se sente através da expressão da minha mãe ou dos meus amigos, que me ligavam a chorar: 'Meg, não estão a proteger-te", recordou.

"E percebi que estava tudo a acontecer só porque eu respirava. E...Eu tinha muita vergonha de o dizer, na altura, e vergonha de ter de o admitir ao Harry, sobretudo, porque sei a perda enorme que ele sofreu, mas sabia que, se não o dissesse, acabaria por fazê-lo", prosseguiu.

"E eu não...Simplesmente, não queria viver mais. E esse foi um claro e real...e assustador...pensamento constante. E lembro-me que ele me embalou e eu...Dirigi-me à instituição e disse que precisava de ir para algum sítio obter ajuda, pois nunca me tinha sentido assim, e que precisava de ir para um sítio qualquer, mas disseram-me que não podia, que não seria bom para a instituição [...] Foram e-mails, súplicas de ajuda, dizendo muito especificamente: 'Receio pela minha saúde mental'", contou.

Meghan Markle

Meghan Markle

Samir Hussein

8. A renúncia aos deveres reais e o afastamento da família real

Foi em janeiro de 2020 que Harry e Meghan surpreenderam os súbditos britânicos ao anunciar a renúncia aos deveres reais. O casal manifestou a sua vontade de ser “financeiramente independente” e dividir o seu tempo entre o Reino Unido e a América do Norte.

Incontornavelmente, este foi um dos temas abordados por Oprah Winfrey. Harry explicou que a decisão do afastamento da família real foi motivada pelo bem-estar de Meghan e Archie, e que Isabel II não foi apanhada "desprevenida", conforme tinha avançado a imprensa internacional na altura.

"Recorri a todos os sítios que pensei que devia ir para pedir ajuda. Ambos o fizemos, em separado e em conjunto", contou o neto de Isabel II, revelado que nunca obteve a ajuda que procurava.

"Nunca abandonámos a família, só queríamos ter o mesmo tipo de cargos que existem, certo? Há membros seniores da família e há membros não seniores, e dissemos em concreto que íamos renunciar aos cargos seniores [...] Apenas dissemos: 'Isto não está a resultar para todos, estamos a sofrer muito, não nos podem dar a ajuda de que precisamos, podemos afastar-nos, podemos fazê-lo num país da Commonwealth", recordou Harry.

"Eu estava a ver era a História a repetir-se, mas talvez fosse efetivamente muito mais perigoso devido à questão da raça e das redes sociais. E, quando falo da História se repetir, refiro-me à minha mãe", referiu ainda.

Harry de Inglaterra e Meghan Markle

Harry de Inglaterra e Meghan Markle

Getty Images

9. O fim do financiamento da família real e as divergências de Harry com o pai, o príncipe Carlos

A certa altura da conversa, Harry contou ter deixado ser financiado pela família real no primeiro trimestre de 2020, assim que anunciou a renúncia aos deveres reais. Foi essa mesma decisão que o levou a considerar os contratos com a Netflix e a Spotify, tendo sido o dinheiro que a sua mãe lhe deixou que permitiu a mudança para os Estados Unidos.

A relação com o pai, o príncipe Carlos, já teve melhores dias e Harry revelou mesmo que até certa altura, o herdeiro ao trono britânico deixou de atender as suas chamadas.

"É muito triste que tudo isto tenha chegado a este ponto, mas sentia que tinha que fazer algo pela minha saúde mental e pela minha mulher porque sabia exatamente o rumo que isto estava a tomar. Quando digo isto, refiro-me, claro, ao que aconteceu à minha mãe. Quando vemos tudo a acontecer da mesma forma sem que nos seja dada ajuda", referiu.

O neto de Isabel II afirmou ainda sentir-se "desiludido" com o progenitor.

"Há muito trabalho a fazer. Estou muito desiludido porque ele já passou por uma situação semelhante, sabe o que é sofrer. O Archie é neto dele...Mas, ao mesmo tempo, é claro que vou sempre gostar dele, mas houve muitas situações dolorosas e...Uma das minhas prioridades vai ser continuar a tentar sarar a nossa relação. Mas só sabem o que sabem. A questão é essa. Tentei", rematou.

William, Harry, Meghan Markle e Carlos de Inglaterra

William, Harry, Meghan Markle e Carlos de Inglaterra

Getty Images