Meghan Markle e Harry de Inglaterra

Meghan Markle e Harry de Inglaterra

Getty Images

A entrevista do príncipe Harry e Meghan Markle está a deixar o mundo em choque depois do casal ter feito revelações inéditas sobre a família real. Em conversa com Oprah Winfrey, a atriz contou que casou no quintal, três dias antes do seu casamento real em 2018.

"Três dias antes do nosso casamento, casámos. Ninguém sabe disso, mas chamámos o arcebispo [de Canterbury] e apenas dissemos 'esta coisa, este espetáculo é para o mundo, mas queremos a nossa união entre nós'", disse Meghan, citada pelo Metro, acrescentando que os votos foram emoldurados no seu quarto.

No entanto, advogados líderes religiosos dizem que a primeira cerimónia provavelmente não foi legal, uma vez que não houve testemunhas e foi no exterior. "Se o casamento fosse conduzido pelo arcebispo de Canterbury, teria sido um casamento religioso e teria que ser realizado numa igreja, cartório ou outras instalações aprovadas. O casamento teria então de ser inscrito no registo de casamento e assinado por ambas as partes, o arcebispo e duas testemunhas", explicou o advogado Kevin Skinner ao jornal.

Conforme os internautas começaram a questionar nas redes sociais a afirmação de Meghan, o reverendo Tiffer Robinson decidiu apoiar a mãe de Archie e disse que a duquesa tinha "o direito de considerar o casamento como quisesse". "Os americanos estão muito menos preocupados com as especificidades da lei do casamento do que o clero inglês. A maioria das suas cerimónias de casamento não são casamentos legais... dizer 'nós casámos três dias antes, numa cerimónia secreta' não é o mesmo que dizer que se casaram legalmente três dias antes", escreveu no Twitter.

Uma entrevista que a SIC vai exibir na íntegra este domingo, 14 de março, a seguir ao Hell's Kitchen.