Dina Arsénio

A corrida à vitória não foi fácil, mas certamente valeu a pena. Não só lhe valeu um novo emprego quando estava desempregada como fez crescer um novo projeto de sucesso ao lado da mulher com quem casou durante a pandemia. Foi um misto não só de sabores, mas de sensações e emoções. Francisca Dias é a grande vencedora de Hell’s Kitchen, da SIC, conduzido pelo chef Ljubomir Stanisic, cuja final foi emitida este domingo, dia 6 de junho.

Uma cozinheira nata

É natural de Mação, mais especificamente da aldeia do Pereiro. A vida no campo faz parte das memórias de infância de Francisca que, depois das aulas, passava o dia com a sua avó Graça. Desde escolher produtos frescos na horta a participar na matança do porco com a família, a concorrente de 29 anos recorda com muita alegria esses momentos. "Gostava imenso de fazer os enchidos com a minha avó. É algo que eu gosto de fazer ainda hoje", conta.

Com apenas oito anos, Francisca já aquecia a comida no fogão sozinha. "Lembro-me que vinha da escola, a minha avó não estava em casa, mas tinha deixado o almoço feito e, na altura, ainda não havia microondas lá em casa, então eu aqueci no fogão", relembra. Aos 12 anos já cozinhava para a família toda. "Há pessoas que começam por coisas mais simples, mas lá em casa como se comia comida de tacho foi logo assim um cozido ou feijoada", explica.

Cozido à portuguesa, feijoada, chanfana e jardineira. São estes alguns dos pratos tradicionais que aprendeu a cozinhar com a avó, a quem elogia também o seu arroz de pato. "É maravilhoso", afirma. No entanto, não foi apenas Francisca que herdou essa habilidade na cozinha: a mãe, Fátima, e o pai, Raúl, também têm talento. "O arroz da minha mãe era o melhor até vir o da minha mulher. O meu pai também cozinha muito bem, as minhas irmãs também", disse, orgulhosa.

A pandemia deixou-a desempregada (mas foi temporário)

Aos 15 anos escolheu envergar pelo mundo da cozinha. E não se desiludiu. Nessa altura, Francisca também tocava saxofone na Sociedade Filarmónica União Maçaense, mas sempre viu a música como um hobby. "Eu não era virtuosa... A virtuosa da família é a minha irmã mais nova que toca clarinete", conta. Aos 21 anos saiu da banda porque já não conseguia estar presente como gostaria.

Após licenciar-se em Produção Alimentar em Restauração, na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, Francisca passou por alguns restaurantes, entre eles o 'Feitoria', restaurante com uma estrela Michelin, em Lisboa. Entretanto, ficou desempregada devido à pandemia, mas por pouco tempo. A mulher, Tânia Semedo, decidiu inscrevê-la no Hell’s Kitchen, um desafio que inicialmente não estava nos seus planos. "Neguei um pouco ao início, mas depois pensei no futuro, que me podia trazer algo de positivo", explica. E assim foi.

Os constantes elogios e a alcunha dada pelo chef Ljubomir Stanisic

No dia em que conheceu o chef Ljubomir Stanisic estava muito nervosa. "Não dormi essa noite", confessa. À medida que o tempo ia passando, a pressão aumentava naquele que é o restaurante mais quente do país. Francisca recorda que um dos momentos onde se sentiu mais tensa foi no desafio do filete de salmonete. "Tivemos que arranjar um salmonete em cinco minutos e aquilo correu-me bem, mas acho que o meu coração me ia saltando pela boca. Estava muito ansiosa e nervosa", admite. Porém, a concorrente acabou por receber um rasgado elogio. “O filete da Francisca está lindo”, afirmou o chef bósnio.

A par de Ricardo Ruivo, que recebeu a alcunha de Teddy pelos outros concorrentes, Francisca foi apelidada pelo chef Ljubomir Stanisic como "Obikwelu". Eis a razão: "A cozinha era realmente muito grande e uma coisa que normalmente faço sempre num passo, ali fazia em cinco, e com o meu metro e meio torna-se complicado e daí estar a correr", conta.

1 / 13

2 / 13

3 / 13

4 / 13

5 / 13

6 / 13

7 / 13

8 / 13

9 / 13

10 / 13

11 / 13

12 / 13

13 / 13

A reação à vitória e o sítio mais estranho onde a abordaram

A concorrente de 29 anos diz ter ficado "incrédula" quando soube que arrecadou o primeiro lugar da competição, que estava a disputar com Lucas Fernandes. "Foi um grande momento de felicidade", afirma. Qual foi a primeira coisa que lhe passou pela cabeça? "Foi do género: 'F***-se! Não acredito'", recorda. Francisca começou a trabalhar com Ljubomir Stanisic no restaurante do chef, no '100 Maneiras', em abril - altura em que os restaurantes puderam reabrir - e está a adorar a experiência. "Tenho aprendido imensas coisas, principalmente “jugoslava”, dos Balcãs. Estar ali um bocadinho naquele mundo que não conhecia e que tenho muita curiosidade", disse.

Quanto à visibilidade fora do programa, Francisca explica que tem "um bom feedback" e que as pessoas lhe pedem receitas, inclusive o famoso arroz branco que o chef Ljubomir Stanisic descreveu como "genial". A concorrente explica que as pessoas abordam-na nas redes sociais, na rua, no local de trabalho e até... no trânsito. "Eu estou a conduzir e oiço buzinar, penso 'o que se passa?' e depois tenho uma pessoa ao meu lado a dizer-me adeus", conta, entre risos.

O casamento intimista e o novo projeto com a mulher

Além da vitória no programa, Francisca Dias tem uma data ainda mais marcante: 10 de outubro de 2020. Trata-se do dia em que casou com Tânia Semedo, com quem tem uma filha de seis anos. A cerimónia intimista aconteceu no Monte do Leão, em Glória, Estremoz, e contou com cerca de 25 pessoas. E, claro, a concorrente meteu "a mão na massa", com a ajuda de dois amigos, e cozinhou para os convidados. O bolo do casamento também foi feito por Francisca. "Fiz um mil folhas de framboesas com creme de limão, a pedido da Tânia", conta.

»» Lucas Fernandes sobre o Hell's Kitchen: "Não fui para criar uma personagem, não sou ator"

Juntamente com a mulher, Francisca também criou um projeto especial: o Cisca Massala. "Cisca é como a Tânia me trata e Massala é uma mistura de especiarias da India, ou seja, são as misturas da Cisca", explicou. E como nasceu este negócio de temperos, conservas e molhos? "A Tânia já me tinha dito, até já antes da pandemia, que devia vender os meus temperos. Na verdade nunca lhe passei muito cartão, mas entretanto fiquei desempregada. Ela voltou outra vez a falar sobre isso e ai já estava receptiva. Saí do programa e foi do género ‘vamos lançar isto’", contou. Hoje, 'Cisca Massala' está a ter um grande sucesso. Espera-lhe assim um futuro promissor.

OUTRAS CURIOSIDADES SOBRE FRANCISCA DIAS
Doces ou salgados? Prefere salgados.
Prato preferido Canja, mas também gosta de chanfana e cabidela.
Prato favorito no restaurante '100 Maneiras' Cabeça de vaca, um "prato com história" que o pai do chef Ljubomir Stanisic cozinhava.
Há algum alimento que seja incapaz de comer? Não.
O que não pode faltar num cozinhado Molho se soja.