O ano de 2019 não foi fácil para Diogo Carmona. Em outubro, o jovem, de 22 anos, foi colhido por um comboio na estação de São Pedro do Estoril que levou à amputação do seu pé esquerdo. Na altura, chegou-se a especular sobre uma tentativa de suicídio, visto que o jovem ator estaria num estado depressivo há já longos meses.

Entretanto, quase quatro meses depois do trágico acidente, Diogo Carmona esclareceu o que se passou em entrevista a Júlia Pinheiro, no programa das tardes da SIC, esta sexta-feira, 7 de fevereiro.

"Foi uma acidente. Infelizmente estava no sítio errado à hora errada", começou por dizer. "Infelizmente costumava passar naquele local várias vezes e aquilo aconteceu e é verdade o que apareceu nas revistas, que eu me arrastei", contou, lamentando a forma como o assunto foi abordado pela comunicação social.

>> Diogo Carmona desesperado: "Esta é a minha carta de suicídio metafórico"

Em seguida, Diogo revelou alguns detalhes do trágico acidente.

"Ia para ali e atravessava como se não houvesse problemas . O comboio passa ali mesmo perto, quando digo perto é um metro. Não estava atento e... Eu morava em São Pedro do Estoril, aquilo era em São João e eu atravessava de uma maneira reta esse caminho", referiu.

"O mais importante é que eu estou com vida. Estou agora aqui", frisou, acrescentado: "Aprendi tantas lições com esta situação. No hospital aprendi com as outras pessoas".

Atualmente, o jovem está a morar com os avós paternos e encontra-se a fazer tratamentos de fisioterapia no Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão, aguardando a chegada de uma prótese. Ainda me estou habituar a esta situação. Eu não quero ver isto como um entrave”, disse.

Por fim, Diogo frisou ainda que o acidente serviu para se reaproximar de alguns amigos e familiares, à exceção da mãe, a quem o jovem acusa de roubo (saber mais aqui).

>> Diogo Carmona: "Se não posso confiar na minha mãe, em quem posso confiar?"