Rainha Isabel II, Meghan Markle e príncipe Harry

Rainha Isabel II, Meghan Markle e príncipe Harry

Getty images, Chris Jackson

Cinco dias depois do príncipe Harry de Inglaterra e Meghan Markle terem anunciado o seu desejo de deixarem de ser membros sénior da família real inglesa e passarem a viver entre o Reino Unido, os Estados Unidos e o Canadá, procurando ser “financeiramente independentes”, houve uma reunião em Sandringham para determinar todas as fases deste processo.

>> Príncipe William quebra o silêncio e revela o que sente depois do afastamento de Harry

A imprensa britânica garante que a notícia caiu como uma bomba, até porque esta decisão terá sido anunciada ao mundo ainda antes da rainha Isabel II autorizar e há mesmo quem defenda que foi apanhada de surpresa com esta intenção daquele que é, segundo os especialistas em realeza, o seu neto preferido.

>> Museu Madame Tussauds de Londres separa Harry e Meghan da restante família real

Na reunião desta segunda-feira, 13 de janeiro, presidida pela rainha, estiveram também os príncipes Carlos, William e Harry. Meghan Markle, que se encontra no Canadá, terá defendido a sua posição por videoconferência. Em comunicado, a Casa Real britânica considera que foi um encontro “construtivo”.

>> Príncipe Harry afasta-se oficialmente da família real por amor a Meghan Markle

"A minha família e eu apoiamos inteiramente o desejo de Harry e Meghan criarem uma nova vida enquanto família. Apesar de preferirmos que se mantivessem como membros a tempo inteiro da família real, respeitamos e compreendemos o seu desejo de viver de forma mais independente enquanto família ao mesmo tempo que permanecem parte vital da minha família", lê-se no documento assinado pela rainha Isabel II de Inglaterra. “Foi acordado que existirá um período de transição no qual os Sussex vão passar tempo entre o Canadá e o Reino Unido”, esclarece ainda o comunicado.