Os Jogos Olímpicos não terminaram da melhor forma para Nelson Évora, que se lesionou na primeira tentativa no concurso do triplo salto e não conseguiu melhorar, não conseguindo melhor do que 15,39 metros. Já Pedro Pablo Pichardo saltou para a final com 17,71 metros.

O atleta foi questionado sobre se cumprimentaria o colega se estivesse na pista na altura. Eis a resposta: "Não sei porquê, não por mim, mas não teria de ser eu a abraçá-lo. O Pichardo há-de aprender com a vida. Espero que tudo lhe corra muito bem", afirmou.

Nelson Évora confessou ainda que ficou muito feliz pelo respeito que os colegas demonstraram ao despedirem-se dele na pista. "Muitos aprenderam a saltar com vídeos meus, como eu aprendi com outros mais velhos. Isso vale mais do que qualquer medalha. As medalhas dão estatuto, mas o respeito de todos para mim foi muito reconfortante. Temos os nossos piques nas provas, mas respeitamo-nos todos. O desporto não é uma guerra, é uma competição. É contra nós mesmos, respeitando adversário, depois das provas somos todos amigos, uns mais que outros", explicou.