Andreia Rodrigues com a filha mais velha, Alice

Andreia Rodrigues com a filha mais velha, Alice

Instagram

Andreia Rodrigues foi mãe pela segunda vez no passado dia 15 de março e, entretanto, já regressou ao trabalho com a quarta temporada do programa de sucesso da SIC Quem Quer Namorar Com o Agricultor?.

Esta terça-feira, 1 de junho, a profissional de televisão esteve à conversa com Júlia Pinheiro sobre esta nova fase da sua vida. Sempre que pode, e apesar de haver semanas em que percorre quase dois mil quilómetros, Andreia leva consigo Alice e Inês, como já nos tinha confidenciado em entrevista exclusiva.

“Os primeiros dias com a Inês foram desafiantes, pela gestão com Alice, que continua a ser uma bebé – tem três anos e quando a irmã nasceu ainda nem os tinha feito. E há dias mais desafiantes, correram algumas lágrimas. Faz parte. Há dias em que me sinto péssima outros em que acho que sou fantástica”, disse, emocionada.

“Quando [a Alice] começou a perceber que tinha uma irmã – eu acredito que não é fácil para uma bebé que tem um pai, a mãe, toda a atenção toda para ela – e, de repente, a mãe fica ‘ausente’… Eu estou presente numa série de coisas, sempre na medida máxima que posso, mas há alturas que não dá porque a irmã está a mamar, a chorar, com uma cólica… e é no meu colo que ela se acalma. E aí é claro que não consigo estar para a Alice na mesma medida. Houve alturas em que me senti culpada por isso (…) Mas estes quase três meses de vida da minha filha mais nova têm-me trazido imensa calma, tranquilidade”, assumiu ainda.

Viver a gravidez em pandemia

Nesta conversa franca, Andreia Rodrigues partilhou com Júlia Pinheiro que engravidou de forma “consciente”, no verão passado, meses depois de sofrer o seu terceiro aborto (saiba mais aqui) pensando sempre que a pandemia passaria mais rápido, até porque naquela altura tudo estava mais calmo.

Contudo, com a chegada do inverno, o número de infetados disparou e a apresentadora não esconde que houve momentos que se sentiu “sozinha”, porque queria trabalhar, fazer coisas, estar com as amigas, mas não o fazia por uma questão de proteção da bebé, mas também de toda a família.

“Acabei por viver a gravidez muito fechada, protegi-me o mais que pude, porque era uma forma que eu tinha de proteger a Inês. Mas eu costumo dizer que ela é que nos veio proteger, porque o facto de a ter dentro de mim fez com que eu protegesse muito mais os que estavam à nossa volta”, remata.

Andreia Rodrigues cm a filha mais nova, Inês

Andreia Rodrigues cm a filha mais nova, Inês

Reprodução Instagram, DR