Zendaya refletiu sobre o momento bizarro e racista que dos Óscares, em 2015, quando marcou presença na passadeira vermelha e foi 'avaliada' por uma repórter que comenta looks da cerimónia.

Para a ocasião, a atriz escolheu ir com os cabelos em dreadlocks (rastas) quando Giuliana Rancic, do programa Fashion Police, revelou que o penteado escolhido fazia parecer que a atriz "cheirava a óleo de patchuli ou marijuana".

"Alguém disse algo sobre o meu cabelo nos Óscares que me deixou pasmada. Não porque eu fiquei entusiasmada com comentários sobre as minhas roupas, mas porque fui alvo de calúnias, ignorantes e puro desrespeito", começou por dizer à W Magazine quando falou da representatividade em Hollywood e de reescrever a história com bons exemplos.

"Dizer que uma jovem de 18 anos com dreadlocks deve cheirar a óleo de patchouli ou 'erva' não é apenas um grande estereótipo, mas escandalosamente ofensivo. Normalmente não sinto a necessidade de responder a coisas negativas, mas certas observações não podem ser desmarcadas", disse a atriz de 24 anos que tem uma carreira em ascensão no mundo do cinema e televisão.

Zendaya

Zendaya

Axelle/ Bauer-Griffin

A repórter e comentadora apresentou um pedido de desculpas no dia seguinte à emissão, depois de Zendaya afirmar que havia uma "linha ténue entre o que é engraçado e desrespeitoso".

"É assim que as mudanças acontecem. E isso fez-me pensar: 'Como é posso ter um impacto duradouro sobre o que as pessoas viram e associam a pessoas de cor'", assumiu, seis anos depois do sucedido.