Inês Gonçalves

Reprodução Instagram, DR

Bruno Nogueira foi uma das personalidades que marcou o ano de 2020. O humorista criou o movimento Como É Que O Bicho Mexe, que foi companhia de milhares de pessoas durante a fase de confinamento que se viveu no início do ano.

Chegando a atingir números quase 'inacreditáveis' e contando com um rol de convidados sempre diferente e único, Bruno "fez história".

Prova disso foi o prémio internacional com que foi distinguido, pelo canal E! Entertainment, de Inspiring Person of The Year.

»JOÃO MANZARRA DEIXA MENSAGEM EMOCIONANTE A BRUNO NOGUEIRA: “O MELHOR ABRAÇO QUE NESTA ALTURA, NÓS TODOS, PODERÍAMOS DAR”«

Em conversa com o site FamaShow, o comediante revelou quais são as suas grandes inspirações.

Nem sempre se trata de uma personalidade, mas antes de certas profissões que o inspiram. Isto porque "endeusar pessoas é sempre um perigo".

"Profissionalmente há sempre pessoas e projetos que me inspiram mas acima de tudo há maneiras de encarar a profissão que me inspiram muito mais que pessoas. Endeusar pessoas é sempre um perigo. Quando gostamos de alguém gostamos da imagem que temos dessa pessoa, não é necessariamente daquilo que a pessoa é", começou por afirmar.

"Há pessoas que profissionalmente têm uma conduta e abdicam de certas coisas em função de um bem que para elas é maior do que aquele que é óbvio. Isso inspira-me sempre", avançou ainda.

»BRUNO NOGUEIRA NA SIC«

Para Bruno a inspiração vem, muitas vezes, das profissões que mais admira. Escritores ou músicos: "Inspiram-me escritores por conseguirem fazer uma coisa que eu nunca vou conseguir fazer na vida, conseguem fazer-me ficar preso a resmas de papel durante não sei quanto tempo. Há profissões que me inspiram muito mais do que necessariamente a minha. Como tenho sempre a ambição de aprender um bocadinho de tudo fico espantado com aquilo que um músico consegue fazer, do que um escritor consegue fazer".

Por fim confessou ainda que, fora do meio profissional, deixa-se inspirar por várias pessoas: "Há várias coisas, para além de pessoas que nada têm que ver com profissões públicas, que me inspiram".