Príncipe Carlos de Inglaterra

Príncipe Carlos de Inglaterra

Getty Images

O príncipe Carlos de Inglaterra, de 71 anos, teve resultado positivo no teste ao Covid-19. A notícia foi confirmada em comunicado pela residência oficial do filho mais velha da rainha Isabel II em Londres.

“O príncipe de Gales testou positivo ao coronavírus. Apresenta sintomas moderados, mas continua de boa saúde e está a trabalhar em casa como tem vindo a acontecer nos últimos dias”, começa por esclarecer o documento, onde a Casa Real confirma que também a mulher do príncipe Carlos, Camilla, de 72 anos, se submeteu ao teste: “A duquesa da Cornualha também foi testada, mas não é portadora do vírus. Seguindo as indicações do Governo e da comunidade médica, o príncipe e a duquesa estão agora isolados em casa, na Escócia”.

Camilla, duquesa da Cornualha, e o príncipe Carlos de Inglaterra

Camilla, duquesa da Cornualha, e o príncipe Carlos de Inglaterra

Getty Images

Recorde-se que, no início desta semana já tinha sido noticiado que um dos funcionários do Palácio de Buckingham tinha sido diagnosticado com Covid-19 e que teria sido isso que levou a rainha Isabel II de Inglaterra a antecipar as suas férias da Páscoa em Windsor. É lá que a soberana, de 93 anos, e o marido, Philip, duque de Edimburgo, de 98, se encontram em isolamento preventivo.

Rainha Isabel II e príncipe Philip

Rainha Isabel II e príncipe Philip

Antony Jones

De referir que, numa fase inicial, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, desvalorizou a crise pandémica, tendo mesmo falado em imunidade de grupo, ou seja, quanto mais pessoas estivessem doentes, mais facilmente o país ultrapassaria a situação, mas agora já viu a resolução não é assim tão fácil e que teria de seguir as medidas adotadas em países como Itália, Espanha e Portugal. Na semana passada, o político já se viu obrigado a decretar o encerramento das escolas e a impor medidas restritivas, como o confinamento obrigatório durante três semanas. Foi também ordenado o encerramento de todas as lojas e serviços não essenciais. De acordo com os últimos números, até esta quarta-feira, 25 de março, já morreram 422 pessoas e há mais de oito mil casos sinalizados no Reino Unido.