Pablo Cuadra

No dia 24 de janeiro, Sara Sampaio exerceu o direito de voto, partilhando nas redes sociais uma fotografia do boletim. Houve, no entanto, um pormenor que saltou à vista. O quê? Com uma caneta, tapou o rosto do candidato André Ventura, que na altura era deputado do Chega.

De acordo com o jornal i, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) considerou que a modelo fez "propaganda depois de encerrada a campanha eleitoral”, estando "verificados indícios de prática ilícita”. O caso foi, portanto, entregue ao Ministério Público, que está a investigar a publicação.

Ainda segundo o jornal, Sara Sampaio ainda não recebeu nenhuma notificação, mas caso seja provado ser um ato de propaganda ilegal, a modelo está sujeita à pena de prisão até seis meses e ao pagamento de uma multa.