Samantha Ware e Lea Michele

Samantha Ware e Lea Michele

Reprodução Instagram, DR

Samantha Ware foi a primeira pessoa a pronunciar-se publicamente sobre a postura de Lea Michele após a atriz ter demonstrado apoio ao movimento Black Lives Matter, que vem no seguimento da morte do afro-americano George Floyd. Entretanto, mais celebridades também falaram sobre o assunto.

Agora, em entrevista para a Variety, Samantha deu detalhes sobre como foi trabalhar com Lea na série popular 'Glee', referindo que a mesma não foi com a sua cara desde o primeiro dia de gravações. “Eu sabia desde o primeiro dia quando tentei apresentar-me. Assim que ela decidiu que não gostava de mim, ficou muito evidente”, contou. “Depois da minha primeira performance, foi quando começou - o tratamento silencioso, os olhares, os comentários em voz baixa, (o comportamento) passivo-agressivo estranho", acrescentou.

Numa outra ocasião, Michele terá mesmo ameaçado o emprego de Samantha na frente de todos os outros colegas, inclusive figurantes, dançarinos e o elenco. Razão: Samantha acredita ter ofendido sem querer a sua colega. "Aparentemente eu estava a fazer brincadeiras quando a câmera não estava focada em mim e ela levou isso como falta de respeito para com ela", explicou. Quando a cena acabou, Michele terá ordenado Samantha a ir ter com ela. "Eu disse que não e foi aí que ela ameaçou o meu emprego, que ligaria para o Ryan Murphy para me demitir", afirmou, contando ainda que teve uma semana com medo que fosse realmente despedida, mas tal não aconteceu.

Samantha explicou ainda o comentário que fez no Twitter sobre o comportamento de Lea que gerou bastante polémica nas redes socais. "Ela teve um problema porque eu tinha rido [enquanto assistia a uma cena] e foi nesse momento que o comentário 'vou cag** na tua peruca' aconteceu. Alguns riram, outros ficaram chocados. Foi humilhante. O objetivo dela foi envergonhar-me. As pessoas ouviram-na, mas ninguém se impunha contra ela", disse.

"Se estou a chamar a Lea de racista? Não. A Lea tem tendências racistas? Acho que a Lea sofre de um sintoma de se viver numa indústria que é feita sob medida para pessoa brancas", sublinhou.