Ian Gavan

Amber Heard e Johnny Depp estiveram casados apenas 15 meses, naquele que foi dos casamentos mais conturbados de Hollywood. A relação chegou ao fim em 2016 com acusações graves, por parte da atriz, de violência doméstica. Agora, quatro anos depois, surgem novas provas que podem inverter os papéis e por em causa as acusações de Amber.

Numa série de áudios é possível perceber que, afinal, terá sido Amber Heard a inflingir violência física sob o ator. "Desculpa se eu te bati na cara com uma chapada como deve ser, mas eu estava a bater-te, não te estava a esmurrar. Querido, não te dei um murro" começa por dizer. "Não sei qual foi o movimento da minha mão mas tu estás bem, eu não te magoei, não te esmurrei, estava só a bater-te", continua.

Apesar dos pedidos para que Amber se acalmasse, a atriz acaba por dizer: "Não posso prometer que não te toco outra vez. Quando fico louca, perco a cabeça".

Nas gravações é possível ouvir ainda sobre o incidente em que, um mês após trocarem alianças, Amber atirou uma garrafa de Vodka ao ator, fazendo com que este cortasse um dedo [As imagens gráficas foram publicadas pelo Daily Mail. A publicação teve ainda acesso a vários áudios gravados em sessões de terapia informais, com o consenso de ambos].

Na fotografia em cima e em baixo, Johnny Depp e Amber surgem lado a lado na passadeira do festival de cinema de Veneza, pouco tempo depois do incidente.

Das acusações de Depp fazem ainda parte algumas fotografias das marcas da agressões de Amber, entre elas marcas de cigarro e nódoas negras.

Ian Gavan