Rodrigo Guedes de Carvalho entra em casa de todos os portugueses, à hora do jantar, para dar as notícias “do país e do Mundo”. Assertivo e carismático, é dono de uma sensibilidade que o fez - recentemente - trazer a público a veia artística com que nasceu.

Hoje, foi Júlia Pinheiro quem tomou as rédeas de uma viagem que levou o jornalista pelas suas memórias da infância no Porto e em África, que parou nas lembranças das mulheres estruturais da sua vida e que desembarcou no orgulho que sente pelos filhos.

Aprendeu guitarra clássica na infância, mas distanciou-se da música pela correria da vida. Aos 18 anos rumou a Lisboa para estudar comunicação e, recentemente, para além do trabalho jornalístico - a somar aos seis livros que escreveu, ao cinema e ao teatro - o pivot da SIC lançou XAVE, o álbum descomprometido que ficou conhecido pelo tema Se foi Amor.

Por muitos é visto como "durão", mas quem conhece a sua essência corrobora a alma de artista, a elevação do seu sentido de humor e a profunda sensibilidade do comunicador. Rodrigo assume que não tem paciência para quem está na vida com o propósito de chatear os outros e enfatiza: “Quero viver. Quero aproveitar cada momento. Não quero morrer sem ter tentado".

Assim quis que os filhos, Rodrigo e Benedita - frutos do anterior casamento com Teresa Dimas -, aprendessem também a levar a vida: “Eu eduquei-os muito como fui educado”, falando do sucesso da missão: "Tenho uma enorme sorte de eles serem boas pessoas. Porque isso pode não acontecer”, para acrescentar: "Gosto muito da relação que tenho com eles”.

O pai começou por dizer que gosta muito das pessoas em que os filhos se transformaram, que adora o facto de já serem adultos com quem se pode ter uma conversa de igual para igual e que não se considera chato. “Eu nunca abdiquei de ser o pai. Eu não sou o amigo, ou o companheiro” são palavras suas. Mas, o que terá a filha a dizer sobre isso?

Benedita, de 24 anos, foi a chave que trancou a entrevista especial a Rodrigo Guedes de Carvalho. A jovem que se dedica às ciências sociais, surpreendeu o pai e demonstrou todo o orgulho que sente no profissional e no homem que lhe deu a vida.

Nitidamente envaidecida, Benedita confirma: “Temos imensa liberdade, sempre tivemos imensa liberdade” e explica: o pai e a mãe são muito bons vivants”. Divertida, conta um episódio protagonizado pelo pai e pelo irmão que acontecia sempre que apresentava um novo namorado: “O pai e o Rodrigo faziam um número a fazer de conta que estavam à espera dos meus namorados” que consistia em "limpar uma espingarda fictícia". Sobre o projeto musical XAVE, é clara: “reconheço o pai em todas as músicas do início ao fim”, “ao ouvir no carro já me emociono”.

Rodrigo, o filho mais velho do jornalista - que considera que "uma pessoa quanto mais instruída for mais bem preparada estará para enfrentar a vida” - enveredou pela carreira musical, estudou fora e está a compor o seu caminho como baterista. No ar ficou a batida: quem sabe se um dia não se junta aos XAVE?