Miguel Schincariol

Esta terça-feira, 9 de setembro, marcou um dia histórico para o futebol. Os jogadores do PSG e do Istanbul Basaksehir recusaram-se a voltar ao campo, no Parque dos Princípes, em Paris (França), devido a ofensas racistas por parte do árbitro (conheça aqui os pormenores).

É o assunto do momento no mundo da bola e foram vários os profissionais que comentaram o sucedido. Jorge Jesus optou por desvalorizar o assunto e fez algumas declrações que se estão a tornar polémicas.

"Hoje está muito na moda isso do racismo. Como cidadão, tenho o direito de pensar à minha maneira. Só posso ter uma opinião concreta, se souber o que se disse naquele momento. Hoje, qualquer coisa que se diga contra um negro é sempre sinal de racismo, mas a mesma coisa a um branco já não é racismo", declarou.

Nas redes sociais os internautas desfizeram-se em críticas sobre estas afirmações. No Twitter foram vários os comentários depreciativos.

"Infelizmente acordando num mundo onde Jorge Jesus finalmente exerceu seu papel de europeu filho da p****, burro e preconceituoso como manda o script", afirmou um internauta.

"As decepções do dia a dia... Caso 897: Mister Jorge Jesus", declarou outro.

"Era melhor não ter comentado nada, Jorge Jesus. O senhor é racista também!", afirma o cozinheiro João Diamante.

Os comentários deste tipo multiplicam-se em todas as plataformas, acusando o atual treinador do SLB de racismo.