Reprodução Instagram, DR

Num texto emotivo e cru, Júlia Pinheiro abriu o coração aos fãs. No Dia Mundial de Combate ao Bullying a apresentadora revelou que teve de batalhar muito ao longo da sua vida e que nem sempre foi fácil.

"Um lado mais negro" com que teve que se confrontar na infância e adolesência deixou o seu legado. No texto que publicou no seu blog, Júlia confessou ter sofrido bullying e discriminação.

"Há cerca de dois anos, na apresentação do programa Júlia, revelei um lado mais sombrio da minha infância. Acabei a primeira classe sem saber ler nem escrever. O que me terá proporcionado, desde cedo, a sensação de ser diferente. E nessa altura da nossa vida, ser diferente não é bem-vindo. Quando, na verdade, mais tarde descobrimos que somos todos diferentes”, começou por adiantar.

»JÚLIA PINHEIRO JUNTA OS FILHOS E AS NETAS EM FOTOGRAFIA RARA«

O meu percurso académico foi feito mais a solo. Hoje valorizamos o ‘sopas e descanso’. Mas na escola, estarmos rodeados dos amigos mais populares é que é fixe. Na adolescência, estava muitas vezes sozinha. E, pior, sentia-me efetivamente sozinha, o que me tornou uma presa fácil. Fui vítima de bullying e sujeita a várias humilhações. Fui discriminada: era muito alta para a idade. Era magra. Acrescentaram-se ainda razões políticas“, continuou.

No final, a apresentadora deixou um alerta: "Insultos, alcunhas e comentários inapropriados discriminatórios cometidos contra crianças não são comportamentos aceitáveis".