Patrick McMullan

Ghislaine Maxwell, acusada de participar alegada rede de tráfico sexual de Jeffrey Epstein, foi detida esta quinta-feira, dia 2 de julho, New Hampshire, na costa leste dos Estados Unidos.

Na notícia, avançada pela NBC News, referia que uma fonte da procuradoria de Manhattan afirmou que quatro das seis acusações são de "persuadir, induzir, atrair e coagir" jovens mulheres, entre elas crianças de 14 anos, a viajarem para ter relações sexuais com o magnata norte-americano e com outros homens ricos e influentes.

De acordo com o New York Post, a socialite britânica irá "apresentar nomes" e "cooperar de forma plena" com o FBI nas investigações sobre milionários e poderosos de todo o mundo que faziam parte da rede de pedofilia. “Ela sabe tudo e vai cooperar integralmente”, disse um ex-empregado de Epstein, Steven Hoffenberg, ao The Sun.

Ela não aguenta esse tipo de punição, a prisão é algo pesado demais para ela, como será mantida confinada em isolamento, vai descontrolar-se”, acrescentou.

Outro dos nomes que vieram à tona por estarem associados a Epstein, e serem um dos supostos beneficiários dos serviços de Ghislaine, foi o do príncipe André de Inglaterra, filho da rainha Isabel II.

Alegada vítima de abusos de príncipe André quebra o silêncio: "Senti-me suja"

A socialite, que foi namorada do magnata que se suicidou no ano passado, também era próxima do ex-presidente norte-americano, Bill Clinton, e do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.