Rodrigo Guedes de Carvalho

Rodrigo Guedes de Carvalho

Rodrigo Guedes de Carvalho foi um dos convidados do programa 5 para a Meia-Noite desta quinta-feira, 26 de março, e aproveitou para responder a algumas críticas de que tem sido alvo nas redes sociais.

“Eu sou fundador da SIC e, se contarmos com os anos de RTP, estou no ar ininterruptamente no ar há 33 anos. Não me parece que pertença ao grupo de portugueses que busca protagonismo, eu não tenho nada de extraordinário ou pretendo ter. O que se passa nesta altura é que pertenço ao grupo de pessoas que, muito cedo, percebeu que íamos entrar em circunstâncias extraordinárias”, começou por dizer o jornalista, respondendo, assim, a quem o acusa de querer protagonismo.

O pivô, que esta semana também esteve em casa de quarentena, disse ainda acreditar que esta é “a guerra” da atual geração. “Se repararem, todas as gerações viveram as suas guerras. Ainda a geração dos meus pais viveu a guerra de África. Acho que, para já, esta é a nossa guerra”, disse ainda no programa conduzido a partir de casa por Filomena Cautela e Inês Lopes Gonçalves, antes de acrescentar: “Entender este momento é entender que é um teto muito pesado de medo e confusão e, se o que eu digo e como eu digo ajudar alguém, nem que seja uma pessoa a ter esperança, então eu vou continuar a fazê-lo e todos os julgamentos façam-se depois. Eu continuo a achar que quando olharmos para trás, vamos perceber quem é que esteve do lado certo da história. Acho que este momento, para o bem e para o mal, vai definir muitas pessoas que conhecemos”.

Para terminar, e mostrando o bom-humor que esconde por trás do seu ar sério, Rodrigo Guedes de Carvalho ainda deixou uma palavra a todos os comentadores que se mostram nas suas casas, com um cenário bem estudado para terem mais credibilidade: “Eu não tenho estantes de livros atrás e vou terminar erguendo uma espada em homenagem a todas as caricaturas e piadas que se fizeram comigo, algumas com muita graça. E com esta espada na mão, aviso-vos que não quero ver-vos na rua se não for por uma boa razão. Estamos entendidos? Fiquem bem, cuidem de vós e cuidamos uns dos outros”.