Olivier da Silva Parente e Cláudia Jacques

Olivier da Silva Parente e Cláudia Jacques

Ainda corre na justiça o processo em que Olivier da Silva Parente, ex-marido da conhecida relações-públicas portuense Cláudia Jacques, é acusado de um crime de branqueamento de capitais e três de burla qualificada.

Esta segunda-feira, dia 2, o tribunal de Portimão justificou a posição do Ministério Público, que pede uma pena de prisão efetiva: “O arguido agiu com desplante e desvergonha por pessoas que não falavam português e que, crédulas, queriam comprar casa e acreditaram que ele era honesto”.

Já a advogada de Olivier Parente defende que o seu cliente apenas deve ser julgado por um crime de burla e pede pena suspensa.

Recorde-se que o ex-marido de Cláudia Jacques, que tem dupla nacionalidade (portuguesa e francesa), montou um negócio de mediação imobiliária para vender casas a reformados franceses que quisessem vir morar para Portugal, obtendo benefícios fiscais. O Ministério Público acusa-o de desviar mais de 530 mil euros a três franceses. Dinheiro que terá servido para comprar carros de luxo, nomeadamente dois Porches e um Mercedes.

Cláudia Silva e Olivier da Silva Parente casaram-se numa cerimónia romântica nas Maldivas, em 2016. A separação aconteceu no ano seguinte.