João Paulo Rodrigues apresentou o Queridas Manhãs, ao lado de Júlia Pinheiro, durante cinco anos. Ao longo desse período à frente das manhãs da SIC, o apresentador passou por um dos momentos mais difíceis da sua vida, em que se divorciou e, consequentemente, sofreu um afastamento das filhas. “Foram os dois anos mais difíceis da minha vida, foi a separação, o divórcio e, principalmente, estar longe das minhas filhas”.

À conversa com Cristina Ferreira, n’O Programa da Cristina, esta sexta-feira, o apresentador e humorista reflete: “O amor acaba, os casamentos terminam. Não há nada a fazer, as coisas são mesmo assim. Insistir é para estragar aquilo que poderia ficar, que era uma boa amizade – e ficou”. Durante esse período, em que apresentava as manhãs da SIC, muitas vezes, teve que esconder as emoções para conseguir conduzir o programa: “Queria chorar muito, mas tinha que fazer rir e tinha que animar a malta. Custou um bocadinho”.

João Paulo Rodrigues já tinha admitido que fez psicoterapia para o ajudar a ultrapassar essa fase. Hoje, voltou a falar dessa experiência: “Eu fiz psicoterapia e ajudou-me muito. Sabes, a nossa personalidade é uma cebola com várias camadas e há coisas que nós fazemos na vida e como reagimos, por exemplo numa relação, há coisas que não gostamos, coisas que reagimos mal, coisas de que tens medo, não confias, seja o que for, e há uma razão lá atrás [para isso acontecer dessa forma]. Tu teres a inteligência emocional de ir lá atrás e resolver cá à frente é importante e foi isso que eu fiz, mas é complicado”. (Leia mais sobre isto aqui).