Leon Bennett

O caso de George Floyd levou a que muitas celebridades se manifestassem publicamente, seja nas ruas ou nas redes sociais. Mark Wahlberg foi um dos famosos a mostrar o seu apoio ao movimento Black Lives Matter, mas foi duramente criticado devido ao seu passado ligado a crimes de ódio racial.

O assassinato de George Floyd é de partir o coração. Precisamos de trabalhar juntos para resolver este problema. Estou a rezar por todos nós”, escreveu na legenda do Instagram.

Sabe-se que o ator de 49 anos foi julgado e condenado, pelo menos, duas vezes durante a adolescência. Em 1986, Mark, juntamente com mais três amigos, perseguiu crianças negras e atirando-lhes pedras. No dia seguinte voltou a repetir a ação, foi preso e precisou de um acordo judicial.

Dois anos depois, quando tinha 17 anos, o ator agrediu dois imigrantes vietnamitas. Um dos homens foi agredido com um pau e o outro foi esmurrado, ao mesmo tempo que proferia ofensas racistas. Apesar de ter sido inicialmente acusado de homicídio na forma tentada, Mark acabou por ver a sua acusação reduzida para um crime de desrespeito e foi condenado a passar dois anos numa casa de correção. No entanto, passou apenas 45 dias preso.

O último incidente, deste género, conhecido por parte da figura pública remete para o ano de 1992. Mark terá partido o queixo de um vizinho, com a ajuda de um amigo, enquanto o insultava com o insultava com epítetos raciais. Passado 14 anos, o ator pediu desculpas publicamente ao homem.

Apesar dos crimes se terem passado maioritariamente na sua juventude, os internautas não reagiram bem à publicação do ator, acusando-o de hipocrisia. "Se ainda não sabem o que é o privilégio branco, o Mark Wahlberg cometeu crimes de ódio, tem uma secção na Wikipedia dedicada aos mesmos, e nunca falamos sobre isso", comentou um.

"Apenas um lembrete de que Mark Wahlberg cometeu vários CRIMES DE ÓDIO e cumpriu apenas 45 dias de prisão. Portanto, não sejam tão rápidos em aplaudi-lo", escreveu outro.