Na noite de sábado, dia 29 de março, a sobrinha de Michael Jackson deixou os seguidores muito preocupados após revelar ter sido vítima de um crime de ódio ao ser esfaqueada por uma vizinha. "Fui esfaqueada sete vezes na minha casa porque sou negra", escreveu na legenda da série de fotografias onde mostra os ferimentos.

Yasmine, que trabalha como enfermeira em Las Vegas, contou que a mulher a perseguiu e começou a esfaquea-la. Razão: Yasmine é afro-americana. "Não consigo mexer o meu pescoço. Estou com medo de ficar sozinha. Pedi às pessoas que me ajudassem porque ela estava a esfaquear-me e ninguém ajudou", afirmou.

"Até que alguém o fez, na verdade algumas pessoas o fizeram e eu sou grata. Peço a Deus que se tiver algum tipo de ódio no seu coração contra os negros que modifique isso. Eu não mereço isso, ninguém merece. Ah, e orgulho-me de ser negra", continuou.

Numa fase onde as tensões estão a aumentar nos Estados Unidos devido à morte do afro-americano George Floyd, Yasmine pediu ajuda aos internautas: "Por favor, ajudem.me. Eles só estão a processá-la por agressão criminosa com posse de arma. Sinto que ela merece ser acusada de tentativa de assassinato e também por crime de ódio. Ela me chamou de n**** e existem testemunhas", implorou.

Quem também ficou arrasada com a situação foi a sua mãe, Joh'Vonnie Jackson, 45 anos, meia-irmã do "Rei do Pop", que gravou um vídeo onde a filha explicava o sucedido, visivelmente abalada. Entretanto, Joh'Vonnie partilhou outra imagem dos ferimentos da filha onde disse que encontraram outra ferida. Ao todo, são oito.

1 / 3

Reprodução Instagram, DR

2 / 3

Reprodução Instagram, DR

3 / 3

Reprodução Instagram, DR