Tinha apenas dois anos quando o pai saiu de casa. Alicia Keys foi então criada pela sua mãe, Teresa, mas a ausência do pai, Craig Cook, trouxe-lhe muita tristeza e mágoas. Esta quinta-feira, dia 14 de maio, a cantora mostrou aos seguidores uma carta que escreveu ao progenitor quando tinha 14 anos.

Na narração do vídeo a artista explicou que a carta não começou com o típico "querido pai" ou mesmo "querido Craig", mas com a data (1994). "Entristece-me que a maior parte do meu coração esteja amarga contigo. É apenas aquela pequena parte que está triste que não é amarga. Já não posso evitar mais isto", lê-se.

"Vi-te a cuidar de todos, exceto de mim. Fui tua primogénita (tanto quanto sei) e tu tratas-me como se eu nunca tivesse nascido", continuou, referindo que o pai não lhe deu apoio, nem à mãe, quando mais precisava.

"Não há nada que possas fazer para curar estas feridas. Não quero as chamadas. Não quero as cartas. Não quero os atos falsos que fazes para tentar fazer-me pensar que te importas. Não quero nada. Esta é a única maneira de me fazeres feliz", rematou.

A carta, que faz parte da nova autobiografia de Alicia Keys, 'More Myself', foi guardada pelo pai até hoje numa caixa de sapatos com lembranças, mas Craig nunca chegou a responder. "Fiquei tão chocada quando ele me mostrou", explicou. "Fico feliz que eu e ele possamos olhar para trás agora como um sinal do quão longe chegamos. [...] Acho que é tão poderoso que os relacionamentos tenham o seu próprio caminho e às vezes são feitos para curar", afirmou.