Bruno Nogueira emprestou a sua voz num texto que publicou na redes sociais esta quinta-feira, dia 12. O humorista falou sobre o histerismo e a negligência no momento em que aumentam os casos de coronavírus em Portugal. E explicou quais têm sido as suas atitudes que podem fazer a diferença.

"Não pretendo dar lições de moral porque não tenho estudos para isso. Também não pretendo criticar ninguém, porque sei que a crítica mal digerida pode incendiar o efeito contrário", começa por dizer o humorista, partilhando aquilo que tem feito nestes últimos dias e sublinhando que o desconhecimento nunca é favorável. A palavra chave? Antecipar.

"A contenção não é cobardia, é trunfo. Tenho a família resguardada em casa, saímos só para o estritamente necessário, e mantemos a calma. Há uma coisa importante no meio disto tudo: a negação do problema não o elimina, só o incendeia. Não é por me sentir saudável que sigo a vida como se nada estivesse a acontecer. Posso a qualquer momento contrair o vírus, e antes de ter sintomas espalhar a quem não tem sistema imunitário forte o suficiente para o combater. Isto não é sobre mim, é sobre uma coisa maior do que eu. É sobre nós", faz notar.

"Faço as compras para os dias que se seguem, e não para os meses que estão por vir. Há idosos e pessoas com menos disponibilidade financeira que precisam de prateleiras de supermercado que não estejam repletas de medo. Cancelei viagens ao estrangeiro que tinha no final deste mês. Perdi dinheiro, ganhei tempo. Não acontece só aos outros. Os outros somos nós. Hoje mais do que nunca. Mantenho as crianças informadas, não multiplico o que leio na imprensa, não faço vista turva. Filtro", acrescenta o humorista que se recusa ceder à histeria e à indiferença.

Bruno Nogueira sublinha ainda que o tempo de agir é agora, que já está a acontecer e que não existe uma separação entre "nós" e "eles". Leia o texto na íntegra aqui.

Rodrigo Guedes de Carvalho também deixou um apelo durante o Jornal da Noite da SIC num vídeo que se tornou viral.