ERIC GAILLARD

Charlene ficou 'presa' na África do Sul, ficando afastada da família ao longo de seis meses, devido a um problema de saúde. Entretanto, regressou ao Mónaco e foi internada numa clínica devido à "exaustão tanto emocional como física", de acordo com o que o marido, o príncipe Alberto, disse à revista People.

Em entrevista ao Page Six, fontes próximas da princesa de 43 anos disseram que a família real do Mónaco está a "minimizar" o estado de saúde de Charlene. “É injusto que ela seja apresentada com algum tipo de problema mental ou emocional. Não sabemos porque é que o Palácio minimiza o facto de que ela quase morreu na África do Sul”, afirmaram.

As mesmas fontes revelaram que a princesa estava a sofrer de uma grave infeção não ouvido, nariz e garganta que a deixou com "problemas graves de sinusite e deglutição decorrentes de uma cirurgia anterior", referindo ainda que “não consegue comer alimentos sólidos há mais de seis meses" devido a todas as cirurgias pelas quais passou desde então. "Ela só tem conseguido ingerir líquidos através de uma palhinha, pelo que perdeu quase metade do seu peso corporal", contaram.

[A Charlene] não está a perder a cabeça nem sofre de problemas graves de saúde mental. Ela esgotada por ter passado por cirurgias durante seis meses e por ter não ter comido adequadamente”, garantiram, acrescentado ainda que "sentia muito a falta dos filhos e do marido quando estava na África do Sul".