Com apenas 23 anos, Paulo Correia, perdeu a vida após ter sido espancado à porta de uma discoteca, no Porto. O jovem não resitiu aos ferimentos causados por um grupo de sete turistas franceses.

O caso está a chocar o País e, nas redes sociais, inconformado, Pedro Abrunhosa comentou o sucedido com uma publicação dedicada ao jovem.

"Paulo. 23 Anos. Agente de Músicos. Fazedor de Sonhos. Ajudador de Sonhadores. Assassinado a soco pela ‘valentia’ de uma escumalha em grupo à porta de uma discoteca no Porto. Sete ‘corajosos’ filhos da p*** bêbedos agrediram-no até se esvair em hemorragias internas", começou por dizer.

"O Paulo tinha uma história que iria contar no resto da Vida que lhe foi tirada cobardemente. Nunca saberemos o fim dessa história. Sabemos apenas a dor que deixa. Pais, amigos, família, sonhadores, músicos. Todos estamos de luto hoje. O Paulo tinha objectivos e projectos, coisa alheia a assassinos e pessoas sem carácter. Foi pontapeado por turistas de países do primeiro mundo. O que prova que o mal é transversal à humanidade. Não tem cor nem cheiro nem raça nem religião e, sobretudo, o mal não tem Sonhos", continuou.

"Paulo morreu ingloriamente às mãos dos inúteis deste planeta. Há um que continua preso. Segundo a Polícia, terá sido este a desferir o soco da morte. Os outros 6 foram libertados não sem antes fazerem vídeos trocistas no carro da Polícia que os levava. Que o culpado seja julgado, condenado de acordo com a lei nacional e que cumpra a pena em Portugal. Haja paz nas ruas. Justiça nos tribunais. Bondade no coração dos fracos. De todos", rematou.

Instagram