Christian Eriksen

Christian Eriksen

Boris Streubel - UEFA

Christian Eriksen deixou amantes de futebol de todo o mundo em choque quando, no passado sábado, dia 12 de junho, caiu inanimado no relvado do estádio Parken, em Copenhaga, durante o jogo do UEFA Euro 2020 que opôs a sua equipa, a Dinamarca, à Finlândia.

A rápida intervenção das equipas de socorro evitou a tragédia e o jogador foi depois levado para o hospital onde ainda permanece em observação e fazer exames. Entretanto, o futebolista também já recorreu às redes sociais para agradecer as mensagens de apoio recebidas.

Em entrevista ao jornal As, citado pelo Record, o cardiologista Sanjay Sharma, que monotorizou Eriksen no Tottenham entre 2013 e 2020, falou sobre o possível futuro profissional do jogador.

"Todo o país e toda a Europa estão muito felizes e agradecidos por um jovem desportista de elite que tem tantas décadas de vida pela frente estar vivo e estar bem. Creio que o principal objetivo dos médicos, neste momento, é saber o que aconteceu e se há algo que possa ser retificado. Agora, caso possam retificá-lo, o pensamento seguinte deve ser: 'existe a possibilidade de este risco que ele tem e que causou tudo isto se mantenha?’", afirmou o cardiologista, acrescentando que "é provável que os médicos estejam a aconselhá-lo a não competir." "O objetivo da medicina é preservar a qualidade e a quantidade de vida. Se algo assim aconteceu durante um exercício vigoroso e em futebol de alto nível, não vamos querer que se repita. Não quer dizer que a carreira dele no futebol esteja terminada. Pode ser treinador, embaixador, comentador ou até estar envolvido na seleção dinamarquesa. Há muitas coisas disponíveis para ele", explicou Sanjay Sharma.

O especialista referiu ainda que "muitos países têm leis muito restritas para assegurar que situações deste tipo não voltam a suceder". "Provavelmente ele ainda está a assimilar tudo e ainda não se deu conta de como será daqui em diante. Mas sem dúvida que onde ele joga agora, no Inter Milão, será muito difícil continuar a jogar depois do que aconteceu", rematou.