Reprodução Instagram, DR

Rita Marrafa de Carvalho fez uma publicação nas redes sociais que está a dar que falar.

Num longo texto, a jornalista revela que foi vítima de bullying durante um relacionamento amoroso.

Pensei muito antes de deixar que os dedos cumprissem o desígnio da cabeça. Pensei nos meus que, depois, leriam os maiores impropérios de quem sabe pouco e entende menos. Os comentadores de teclado, a fermentar ódio e ignorância. Pensei muito para, depois, deixar de pensar demasiado. E escrever. Por mim e por todas as mulheres. Pela minha filha. E por ti”, começou por escrever.

"Há um tipo de violência que não se vê na pele. Não se prova a olho. Não se fotografa numa esquadra e não se mede em tribunal. Há um género de violência que não é crime, que não condena ninguém, que não está inscrita no Código de Processo Penal. Os maus-tratos psicológicos são a forma mais discreta e subtil de exercer poder e humilhação", prosseguiu.

"Só há pouco tempo me apercebi que foi demasiado. E só há pouco tempo tive a plena consciência que aquilo que ouvi e senti foi bodyshaming", acabou por revelar.

"Aprendi a rir quando me dizia “𝒎𝒂𝒔 𝒗𝒂𝒊𝒔 𝒓𝒆𝒑𝒆𝒕𝒊𝒓?” ao almoço. (...) Já engoli com mais dificuldade um amuo quando vestia uma camisa que resultava num “𝒇𝒊𝒄𝒂 𝒅𝒆𝒎𝒂𝒔𝒊𝒂𝒅𝒐 𝒋𝒖𝒔𝒕𝒂 𝒏𝒐𝒔 𝒃𝒓𝒂ç𝒐𝒔 𝒆 𝒏ã𝒐 𝒕𝒆 𝒇𝒂𝒗𝒐𝒓𝒆𝒄𝒆” ou a diária insistência “𝒒𝒖𝒂𝒏𝒅𝒐 é 𝒒𝒖𝒆 𝒗𝒂𝒊𝒔 𝒑𝒂𝒓𝒂 𝒖𝒎 𝒈𝒊𝒏á𝒔𝒊𝒐. 𝑺ó 𝒕𝒆 𝒇𝒂𝒛𝒊𝒂 𝒃𝒆𝒎”. Ou os términos dos abraços da manhã, que se pontuavam com um “só 𝒕𝒆 𝒇𝒂𝒍𝒕𝒂 𝒑𝒆𝒓𝒅𝒆𝒓 10 𝒒𝒖𝒊𝒍𝒊𝒏𝒉𝒐𝒔".

"Deste tipo de violência poucos falam. Poucos confessam. Poucos partilham. Suaviza-se, pinta-se de incentivo o bullying, maquilha-se o bodyshaming, escondem-se défices de caráter", confessou ainda.

Nos comentários, Rita recebeu uma série de mensagens de apoio.