Meghan Markle, Harry e Isabel II de Inglaterra

Meghan Markle, Harry e Isabel II de Inglaterra

Getty Images

A adolescência do príncipe Harry de Inglaterra foi marcada por muitas polémicas – a vida boémia do jovem encheu as capas dos tabloides britânicos – e a rainha Isabel II sempre o perdoou e continuou a protegê-lo. Até que o seu neto preferido, pelo facto de ser mais atrevido que o irmão, por exemplo, começou a seguir-lhe as pisadas e a representá-la de forma muito empenhada.

Contudo, com a chegada de Meghan Markle à sua vida e, mais tarde, do pequeno Archie, Harry quis seguir outro caminho, longe da família real britânica e abdicou dos seus deveres reais para ter “uma vida tranquila” do outro lado do Atlântico.

>> HARRY E MEGHAN MARKLE JÁ REAGIRAM À MORTE DO PRÍNCIPE FILIPE

Archie é apresentado a rainha Isabel II, na presença dos pais, Harry e Meghan, do duque de Edimburgo e de Doria Ragland, mãe de Meghan Markle

Archie é apresentado a rainha Isabel II, na presença dos pais, Harry e Meghan, do duque de Edimburgo e de Doria Ragland, mãe de Meghan Markle

Reprodução Instagram, DR

Para a rainha inglesa esta não terá sido uma fase nada fácil e a recente entrevista que o neto e a mulher deram a Oprah Winfrey, durante a qual fizeram um retrato pouco simpático da realeza britânica e, inclusivamente, acusaram um dos seus membros de racismo, sem obviamente dar nomes, só veio piorar tudo.

Ainda assim, aos 94 anos, e depois de ter perdido o marido, com quem partilhou 73 anos da sua vida, Isabel II de Inglaterra decide continuar a proteger o neto, inclusivamente no último adeus ao príncipe Filipe, marcado para este sábado, 17 de abril.

>> DOCUMENTO OFICIAL DESMENTE DECLARAÇÕES DE MEGHAN MARKLE NA ENTREVISTA EXCLUSIVA A OPRAH WINFREY

A rainha Isabel II, o príncipe Carlos, Meghan Markle, o príncipe Harry, Catherine Middleton e o príncipe William

A rainha Isabel II, o príncipe Carlos, Meghan Markle, o príncipe Harry, Catherine Middleton e o príncipe William

Getty Images

De facto, a monarca está disposta a abdicar da tradição dos homens da Casa Real usarem uniformes militares nas cerimónias fúnebres. Isto porque poderia colocar o príncipe Harry e também o seu filho André – ambos abdicaram dos deveres reais no ano passado, embora por motivos diferentes, o segundo viu-se envolvido em escândalos sexuais com menores e casos de corrupção – numa situação desconfortável. Seria a primeira vez que o filho mais novo do príncipe Carlos e de Diana de Gales não poderia usar o seu uniforme e logo na última homenagem ao avô, que morreu a 9 de abril, aos 99 anos.

>> APÓS ENTREVISTA POLÉMICA DE HARRY E MEGHAN, CASA REAL É ABALADA POR DOCUMENTÁRIO QUE APONTA MÁ RELAÇÃO ENTRE ISABEL II E O PRÍNCIPE CARLOS

De acordo com a revista HELLO!, a rainha Isabel II de Inglaterra já autorizou o primeiro e segundo na linha de sucessão ao trono – o príncipe Carlos e o seu filho mais velho, William – a usarem roupas civis para que todos possam estar confortáveis neste momento. A mesma publicação ressalva, no entanto, que só no próprio dia se verificará se a soberana mantém a sua palavra até ao fim.

Príncipe Harry com o avô

Príncipe Harry com o avô

Max Mumby/Indigo

De referir que o príncipe Harry viajou de Los Angeles para Londres no passado sábado, dia 10, apenas um dia depois da morte do duque de Edimburgo. Apesar de ter admitido um mal-estar com a família, provocado pela sua renúncia, não quis estar longe neste momento de dor. Nos Estados Unidos ficaram a mulher, que está grávida, e o filho, que não visitam o Reino Unido desde março do ano passado.

Releia aqui o emocionante tributo que o príncipe Harry prestou ao duque de Edimburgo.