Pedro Laginnha foi um dos convidados do programa Júlia, desta quarta-feira, 3 março. Em conversa com Júlia Pinheiro, entre vários assuntos, o ator recordou os momentos de medo e angústia que viveu com o filho, Afonso.

O ator de A Serra contou que o filho teve que ser submetido a uma cirurgia à coluna aos 11 anos, depois de lhe ter sido diagnosticado um tumor benigno.

"Fomos fazer uma ressonância magnética e viram logo, que ele tinha uma coisa dentro dele que parecia do tamanho de uma manga. E o médico disse: 'Isto tem que ser visto já'. Há 50 por cento de hipóteses de ser bom, 50 por cento de hipóteses de ser mau. Quer dizer, bom nunca é, mas podia ser pior", começou por contar.

"O mundo cai todo, o chão desaparece. Parece que acordamos para uma vida nova, um mundo novo", afirmou o ator, lembrando quando recebeu a notícia da doença do filho.

"Fizemos tudo o que podíamos fazer. Foi visto por vários médicos e acabaram por optar por tentar retirar aquele corpo de dentro dele, que era benigno", acrescentou.

Porém, até se saber que o tumor que era benigno, viveram-se momentos de ansiedade. "Era uma criança de 11 anos, nós não sabíamos se podia ser benigno, se podia ser maligno. Felizmente, não tinha metastizado em lado nenhum, o que era um bom sinal. Era uma operação extremamente delicada porque era perto do mediastino. Um milímetro ao lado e ele podia ficar paralisado metade do corpo. Podia deixar danos para o resto da vida dele", recordou, acrescentado: "Felizmente, graças a Deus, não foi nada".

Até à recuperação, foram dois meses de luta e de dúvida. "É viver não se sabe bem como. Tentar minimizar as coisas e tentar que ele não perceba. Mudar a alimentação toda. O cancro alimenta-se precisamente de todas as porcarias que comemos, das toxinas todas que metemos no nosso corpo, nas comidas processadas, nos açúcares industriais, nessas coisas todas que estão presentes na nossa alimentação. Então, passámos a ter uma alimentação o mais biológica possível para minimizar a entrada dessas toxinas que poderiam alimentar qualquer coisa que ele pudesse ter [...] Não foi só ele que mudou a alimentação, mudámos todos e ainda bem", explicou.

"Colocar sequer a hipótese de que o nosso filho pode ir à nossa frente, é destruidor", completou, acabando, em seguida, por ser surpreendido por Afonso, hoje com 18 anos.