Foram momentos de desespero que ecoam agora pelo mundo com exigências de resposta por parte da ONU, depois do Reino Unido apelidar os vídeos de "profundamente preocupantes". Em causa estas imagens gravadas pela princesa Latifa, filha do emir do Dubai, que afirmou estar refém.

»» Princesa gasta mais de 1 milhão de euros para encobrir relação com segurança

Numa série de vídeos, gravados a partir de uma casa de banho, Latifa acusa o pai, Mohammed bin Rashid al-Maktoum (também ele primeiro ministro dos Emirados Árabes Unidos) de a manter como refém numa quinta, desde que tentou fugir pela segunda vez, em 2018.

As imagens foram partilhadas esta terça-feira, dia 16, pela BBC, e Latifa afirma temer pela sua própria vida. "Estou a gravar este vídeo numa casa de banho, porque é a única divisão que uma porta que posso trancar. (...) Sou uma refém e esta quinta converteu-se numa prisão. Todas as janelas estão fechadas com grades, não posso abrir nenhuma", diz num dos vídeos.

"Preocupo-me todos os dias com a minha segurança e com a minha vida (...) a polícia disse-me que ficarei na prisão toda a minha vida e que nunca mais verei o sol", apontou a princesa Latifa.

A princesa num dos vídeos que gravou numa casa de banho

A princesa num dos vídeos que gravou numa casa de banho

Reprodução BBC, DR

Após a transmissão dos vídeos, um porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos disse à BBC que questionaria os Emirados Árabes Unidos sobre a princesa e foi isso mesmo que aconteceu.

Durante conferência de imprensa esta sexta-feira, dia 19, Liz Throssell, uma porta-voz da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, disse que o caso foi levantado na quinta-feira com a missão permanente dos Emirados Árabes Unidos (EAU) em Genebra.

"Expressamos a nossa preocupação com a situação, à luz dos vídeos perturbadores que surgiram esta semana. Solicitamos mais informações e esclarecimentos sobre a situação atual" da princesa Latifa. "Pedimos prova de vida", sublinha, Liz Throssell.