Reprodução Instagram, DR

Esta segunda-feira, 18 de janeiro, Mariana Cabral, mais conhecida por Bumba Na Fofinha, surpreendeu os seguidores com a publicação que fez nas redes sociais.

Num testemunho cru e direto, a humorista falou sobre a importância da saúde mental nos momentos que vivemos e mostrou o seu lado mais vulnerável - algo pouco habitual.

"Tenho dias assim. Dias em que estar sozinha é solitário mas estar acompanhada é demais. Dias em que me apetece um cigarro às 9h da manhã, como uma velha dona de cabaré", começou por escrever na foto que pode ver acima onde surge de lágrimas nos olhos.

"Dias em que o meu cérebro, em vez de dormir, faz-me a simpatia de projectar detalhadamente os piores cenários possíveis de tudo, os meus pais a adoecerem, eu sem poder cuidar deles, como reagiria à notícia da sua partida (como se pudesse ensaiá-la), até ao pormenor do que diria na missa de 7º dia imaginária", continuou.

"Somos todos ar comprimido neste momento, à beira de detonar. Não rebentamos de forma igual. (...) Há quem chore desbragadamente durante uma manhã inteira, refém de loops de pensamento catastróficos e sombrios, como esta que vos escreve", acrescentou.

"Este desamparo dura-me deste anteontem. Sou uma privilegiada porque tenho Planos Bs, Cs, Zs. Para mim só alguns dias são assim. Há quem viva neste aperto há 9 meses, sem soluções à vista", revelou ainda. "Portanto, não sei quem é que precisa de ler isto (...) 1) É normal estarmos na merda. 2) Ninguém é fraco por se mostrar como está (isto é, na merda) e 3) Nunca caiam no erro de achar que estão sozinhos na merda, por muito que se rodeiem de pessoas que parecem estar a reagir "melhor" que vocês. Cada um controla o que pode, como pode, da melhor maneira que sabe - e, neste caso, é sempre pouco. É normal termos medo".

"Apoiem-se nos vossos e, se precisarem, em profissionais. Um fardo partilhado pesa bem menos. Tenho-o feito e ajuda de forma inquantificável. A Linha de Apoio Psicológico do SNS existe no 808 24 24 24", rematou.

Nos comentários, seguidores e colegas do meio desfizeram-se em elogios e agradecimentos por esta mensagem tão importante.