Diego Maradona

Diego Maradona

Getty Images

Diego Maradona morreu na quarta-feira, 25 de novembro, aos 60 anos, depois de sofrer uma paragem cardiorrespiratória. O velório decorreu no dia seguinte, no palácio presidencial em Buenos Aires, Argentina, com milhares de pessoas a quererem despedir-se de uma das maiores lendas do futebol mundial.

E foi precisamente durante o velório que um dos funcionários da funerária tirou uma fotografia ao lado do caixão aberto e com a mão posada em cima da testa do icónico futebolista. A imagem acabou por ser divulgada nas redes sociais e rapidamente se tornou viral.

O responsável pela empresa já apresentou um pedido de desculpas público à família e o empregado em causa foi despedido de imediato.

Já durante a autópsia, os familiares do desportista argentino tinham pedido que nenhum dos presentes tive telemóvel, justamente para evitar que fosse tiradas fotografias e que estas acabassem por ser tornadas públicas.

Recorde-se que a autópsia determinou que Maradona morreu na sequência de uma “insuficiência cardíaca aguda que originou um edema agudo nos pulmões”. Contudo, o seu advogado, Matias Morla, alega que houve negligência e que vai recorrer à justiça para prová-lo. “De acordo com o relatório do Ministério Público de San Isidro, é inexplicável que durante 12 horas não tenha havido atenção ou controlo por parte do pessoal de saúde dedicado a esses fins. A ambulância demorou mais de meia hora a chegar, o que foi uma idiotice criminosa. Esta situação não deve ser esquecida e exijo que seja investigada até às últimas consequências. Como Diego me disse: ‘És meu soldado, age sem piedade'”, escreveu no Twitter esta quinta-feira, 26 de novembro.