Morreu o arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, esta quarta-feira, em Lisboa, aos 98 anos, rodeado pela família, segundo o jornal Público.

Licenciado em Engenharia Agrónoma e em Arquitetura Paisagista pelo Instituto Superior de Agronomia, Gonçalo Ribeiro Telles teve um papel fundamental nas áreas de cidadania, ecologia e na política.

Foi um ativista ambiental durante a ditadura e manifestou a sua oposição face ao desordenamento do território em Lisboa e destruição de espaços verdes.

Com António Viana Barreto, assinou o projeto do jardim da Fundação Gulbenkian. É autor do corredor verde de Monsanto, uma pista para peões e ciclistas que liga os Restauradores ao parque florestal de Monsanto. Em 1967, elevou a voz daqueles que não eram objeto do cuidado e planeamento da construção habitacional depois de dezenas de pessoas morrerem em Lisboa devido a cheias.

Gonçalo Ribeiro Telles foi ainda ministro de Estado e da Qualidade de Vida e fundou o Partido da Terra (MPT). Em 2013, foi distinguido com o "Nobel" da Arquitetura Paisagista, o Prémio Sir Geoffrey Jellicoe, atribuído em Auckland, na Nova Zelândia, pela federação internacional do setor.