Jacopo Raule

Cinco semanas depois de ter sido confirmado o nascimento do filho, Joaquin Phoenix e Rooney Mara falam pela primeira vez da criança num artigo exclusivo para a People sobre as 545 crianças migrantes cujos pais ainda não foram localizados.

"Qual será a sensação de explicar ao nosso filho como tratamos crianças amedrontadas e indefesas, algumas das quais podem nunca mais ver os seus pais novamente?", escreveram.

Recorde-se que entre 2017 e 2018 milhares de famílias foram separadas na fronteira dos Estados Unidos com o México, uma política polémica conhecida por "tolerância zero" implementada por Donald Trump.

"Como muitos, ficámos tristes ao perceber que, apesar de ter saído nas manchetes, a política de separação familiar continua a prejudicar crianças e pais em todo o mundo, mais de dois anos depois de ter sido considerada ilegal por um juiz federal", lê-se. É que, de acordo com um documento apresentado esta semana no âmbito de uma ação judicial movida pela American Civil Liberties Union, os pais de 545 crianças não conseguiram ainda ser localizados.

"Como novos pais, é insuportável imaginar como seria ter o nosso filho tirado de nós por um dia, quanto mais anos. Mas é exatamente essa a situação pela qual essas 545 crianças e os seus pais têm vivido. Como americanos, é nossa responsabilidade continuar a prestar atenção à situação dessas famílias e obter respostas sobre o porquê de ainda não serem localizadas."

O objectivo do presidente dos Estados Unidos era retirar as crianças para que outras famílias que pensassem fugir e atravessar a fronteira, pensassem duas vezes antes de o fazer. "Em alguns casos, isso significava literalmente arrancar crianças menores de cinco anos dos braços dos seus pais, até mesmo bebés com menos de um ano de idade. Todos nós nos lembramos do áudio que foi partilhado de algumas daquelas crianças sob custódia do governo a chorar pelos pais."

"Para as crianças que permanecem separadas dos pais, o dano será para toda a vida. Os psicólogos infantis dizem que mesmo curtos períodos de remoção forçada dos cuidados dos pais podem causar danos emocionais irreparáveis. Algumas dessas crianças não são mais do que bebés ou ainda não completaram 10 anos. O nosso coração parte-se ao pensar no sofrimento que suportaram nas mãos do nosso país", afirmaram. E colocaram a questão: "É este o país que queremos? Estes são os nossos valores?"