Reprodução Instagram, DR

"Sei que não escrevo muito nas redes sociais, mas sempre foi uma escolha consciente", começou por adiantar Raquel Strada, que esta sexta-feira, 30 de outubro, publicou um longo e emocionante texto na sua conta de Instagram.

A influencer, que foi uma das primeiras portuguesas a olhar para a plataforma como um meio de trabalho, desabafou sobre a mudança que tem visto nas redes sociais.

"Sempre achei que as redes sociais (em particular esta), eram uma forma de partilha de emoções com o outro, através de imagens. Que eram a possibilidade que eu e vocês temos, deste lado do ecrã, de despertar sentimentos, vontades, até de viver novas experiências, tudo à distância de um scroll de uma imagem. Quase como uma forma de sonhar através da curadoria visual de cada um", começou por escrever.

»RAQUEL STRADA CONFESSA: "ACHO QUE NOS GLOBOS DE OURO RARAMENTE USEI ROUPA INTERIOR"«

"Mas cada vez mais, quando penso neste tal despertar de sentimentos, penso na empatia. Colocarmo-nos no lugar do outro nunca foi fácil. Mas o que tenho visto acontecer nos dias de hoje, é atroz. Cada vez mais, vejo e leio, o apontar do dedo, o egoísmo, sem pensar que aquilo que criticamos, gozamos, desprezamos, pode eventualmente um dia acontecer connosco ou aos nossos e pode magoar de forma irrecuperável", desabafou.

"Estes tempos são novos para todos, sim. Mas infelizmente, nem todos estão nas mesmas condições físicas e mentais para lhe sobreviver da mesma forma. E por isso, mostrar um bocadinho mais de amor, carinho, pensar duas vezes antes de se dizer, ou escrever, se tornou tão importante. Isso sim, é a única coisa em que todos somos iguais. Na humanidade e no amor decidimos partilhar, com quem não conhecemos", continuou.

"A pandemia mudou o mundo, mas que não nos mude a nós e a nossa capacidade de ama", rematou.