Robin Williams suicidou-se em agosto de 2014 e deixou o mundo em choque. O ator, na altura com 63 anos, travava uma batalha contra a Demência de Corpos de Lewy, uma doença cerebral que afeta o pensamento, a memória e o controlo de movimentos.

Agora, seis anos depois, a viúva do artista, Susan Schneider Williams, revelou numa entrevista ao programa Today, a propósito de um documentários sobre os últimos dias do ator, que ela e o marido foram aconselhados, pelo médico, a dormirem em camas separadas, uma vez que Robin tinha muitas insónias.

"Foi um momento chocante. Quando o teu melhor amigo, companheiro, amor - percebes que há um abismo gigante em algum lado, não consegues ver onde, mas que não é baseado na realidade. Foi um momento difícil", contou.

Durante a entrevista, Susan teceu ainda grandes elogios ao marido e recordou a sua bondade: "Era um homem incrivelmente rico, profundo (...) o humor era a sua arma secreta".