Britney Spears

Britney Spears

Getty Images

Britney Spears tornou-se conhecida em 1998, quando tinha apenas 16 anos. O tema Baby One More Time lançou-a para o sucesso, mas quase uma década depois começou a parte menos boa da vida de estrela: os excessos. Em 2007 foram tornados públicos os problemas da jovem artista com álcool e estupefacientes, tendo passado por várias clínicas de reabilitação.

O comportamento problemático fez com que, em 2008, perdesse a custódia dos seus dois filhos para Kevin Federline, com quem foi casada entre 2004 e 2007, e acabou também por perder a sua própria liberdade e independência, já que, depois de várias avaliações psiquiátricas, o tribunal decidiu que seria o seu pai, Jamie Spears, seria o seu tutor. Este tipo de decisões é tomado quando se prova que uma pessoa é incapaz de tomar conta de si própria e, neste caso, significa que o pai da artista tem total controlo sobre as suas finanças, bem como tudo o que diz respeito a decisões médicas, por exemplo. No fundo, Jamie Spears e o seu advogado funcionam como ‘guardiões’ de Britney, sem que esta tenha poder de decisão sobre a sua própria vida, apesar de continuar a trabalhar e a ganhar muito dinheiro.

Jamie e Britney Spears

Jamie e Britney Spears

Reprodução Instagram, DR

Uma situação à qual a estrela pop quis por fim, tendo apresentado formalmente um requerimento no Supremo Tribunal de Los Angeles, para que a decisão da tutela fosse revista e entregue a Jodi Montgomery, que já desempenhou esse papel num período de doença de Jamie. O pedido foi negado e, de acordo com a agência noticiosa Reuters, o acordo atual foi, inclusivamente, prolongado até fevereiro do próximo ano.

Enquanto isso, à porta do tribunal norte-americano houve uma manifestação organizada pelo movimento #FreeBritney, criado em 2009 para defender a independência de Britney Spears. Os fãs não aceitam que, aos 38 anos, a artista continue a não poder gerir a sua vida pessoal e profissional como bem entender.

Uma imagem da manifestação junto ao Supremo Tribunal de Los Angeles

Uma imagem da manifestação junto ao Supremo Tribunal de Los Angeles

Matt Winkelmeyer / Getty Images