Axelle/Bauer-Griffin

No novo documentário 'Unflitered' de Paris Jackson, que também inclui imagens inéditas de Michael Jackson, a cantora resolveu abrir-se sobre a sua sexualidade e contar como o pai a ajudou nessa descoberta.

"Nunca pensei que acabaria com um homem. Pensei que iria casar com uma mulher. Namorei mais mulheres do que homens. O público só conhece três relacionamentos em que estive e eram com homens. O público não sabe sobre a maior parte das relações em que estive", explicou. A jovem de 22 anos namora atualmente com Gabriel Glenn.

Apesar de ter namorado com pessoas de ambos os sexos, Paris não se considera bissexual: "Eu digo que sou gay porque acho que sou, mas não me considero bissexual porque namorei mais do que apenas homens e mulheres, namorei com um homem que tinha uma vagina. Não tem nada a ver com o que está na tua calça, é literalmente como és como pessoa", revelou.

De acordo com a cantora, Michael Jackson já se teria apercebido da orientação sexual da filha. "Acho que ele sentiu a energia e brincava comigo da mesma maneira que brincava com os meus irmãos, do género 'Encontraste uma namorada!', se eu estivesse a olhar muito para uma revista com uma mulher", lembrou. "Tenho muita sorte de ter tido isso, especialmente tão jovem, aos oito ou nove anos. Poucas crianças têm essa experiência", adiantou.

"A primeira vez que disse à minha família que era gay, eles não acreditaram em mim", contou, agradecendo o apoio do irmão mais velho, Prince Michael Jackson I. "A homossexualidade ainda é um tabu na comunidade negra", afirmou.

"A única casa que eu tive antes era o meu pai. Agora eu tenho o Gabe, tenho muita sorte", disse.