Jessica Athayde e Diogo Amaral

Jessica Athayde e Diogo Amaral

Instagram

Jessica Athayde e Diogo Amaral assumiram publicamente a sua relação há pouco mais de um ano, depois de meses de especulação, mas os dois já se tinham envolvido muito antes disso. Quem o revelou foi própria atriz, em entrevista para um programa da televisão portuguesa. “Eu tive uma paixão pelo Diogo em adolescente, sim. Não sei se foi platónica, mas eu achava-lhe imensa graça e quando éramos mais novos ainda demos assim uns beijinhos, mas ele depois não quis saber se mim e tratou-me mal. E tratou-me mal durante anos”, confessou Jessica Athayde, que agora espera um filho em comum com o ator da SIC.

>> Namorada de Diogo Amaral revela que não vai amamentar por motivos de saúde

“Isto deve ter sido há uns 12 anos. Houve ali uma coisinha, mas nada que tenha ganho. Mas eu lembro-me na altura de ter ficado bastante triste porque ele desprezou-me um bocadinho”, acrescentou, antes de contar que só voltaram a estar próximos anos depois, por motivos profissionais: “Começámos a ter uma relação mais porreira, de amigos. Tanto que ele tinha a vida dele e eu tinha a minha. (…) Ele nessa altura já estava separado [de Vera Kolodzig] e não se sabia, eu não estava… Mas foi aí que começámos a criar uma relação mais de amizade e até de alguns projetos que eu tinha na altura e que queria incluí-lo, entre outras pessoas”.

Muitas vezes acusada de ter uma visão demasiado alternativa de um relacionamento – ela e Diogo Amaral não partilham a mesma casa, apesar de estarem juntos e de esperarem o primeiro filho em comum – Jessica Athayde assume: “Não sou romântica, mas sou dedicada”. E lembrou o namoro de muitos anos com João Manzarra e a relação com o fotógrafo Gonçalo Claro, com quem chegou a casar-se. Realça ainda que ficou amiga de ambos.

>> Jessica Athayde é surpreendida pelas amigas com festa de 'baby shower'

Nesta conversa intimista, a atriz revelou também que viveu um namoro à distância durante um ano, que passou entre Bali e Lisboa, até achar que tinha chegado a altura de ficar sozinha, uma fase que acabou por durar pouco tempo. “Não queria ter namorados, não queria saber de homens, queria mesmo estar comigo e viajar e focar-me… e foi quando apareceu o Diogo”, recorda sorridente.