Foi em conversa com Júlia Pinheiro, para o talk show das tardes da SIC, que Daniela Guilherme contou como se apaixonou pelos pais dos filhos e que estes não gostavam de Daniel. O ex-noivo não podia, claro, ficar de fora desta conversa.

Daniela começa por recordar o dia do casamento. Conta que O vestido foi tirado dos meus sonhos. Estava super feliz, nada podia estragar aquele dia e nada estragou. (…) Tinha mesmo uma sensação muito boa, um feeling de que ia correr bem. Senti uma grande conexão com ele, senti uma empatia”. Recorda ainda o primeiro beijo, no final da cerimónia: “Foi um beijo à cinema mesmo e eu estava nas nuvens”.

A magia do casamento começou a dissipar-se na lua-de-mel, quando começou a perceber alguns sinais: “Comecei a perceber que o Daniel não era dado a elogios, ele não olhava para mim com muito desejo ou como eu estou habituada a que os homens olhem para mim. Comecei a perceber que o Daniel não estava habituado às coisas boas e que era tudo muito novo para ele: o bom, a paz, a tranquilidade, isso era tudo muito esquisito nas palavras dele”. Sobre a intimidade, que decidiu nunca falar até agora, porque “tinha e tenho os meus filhos a ver”, admite que “houve um grande grau de intimidade”.

Apesar de muitas coisas não baterem certo no comportamento de Daniel, a ex-candidata só o viu depois, “quando regressámos [do programa]. Em casa ouvi os depoimentos dele a dizer ‘isto está a correr bem demais, eu vou-me aborrecer’ e, agora, percebo que o problema começou aí para ele, eu estava a anos-luz de perceber que isso seria um problema.”. Considera que, para Daniel, a harmonia era um problema: “Senti que havia duas situações: uma era que ele não tinha de lutar por mim, não tinha que ir atrás, eu não me fazia de difícil, estava numa relação, não faço jogos. E senti que ele queria isso, queria essa “pica”. Depois, era mesmo na vida, penso que o Daniel estava habituado a um ciclo de dor e de caos muito grande e comigo ele nunca ia ter caos, então era diferente e essa diferença fez-lhe muita confusão.”.

Acho que havia mulheres [no programa] que ele achava mais interessantes do que eu. Ele próprio disse ‘calhou-me a Daniela, mas se fosse outra era bem melhor’. Ele disse isso, está gravado. Eu vi isso em casa e claro que doeu. Eu sei quando é que aquilo foi gravado e sei o eu ele disse depois ao final do dia e então isso torna-se muito confuso, mais do que mágoa”, conta a instrutora de ioga, que considera que o ex-companheiro não entrou na experiência com a disponibilidade emocional necessária: “Eu entrei pronta para um relacionamento e com o meu passado muito bem resolvido e penso que o Daniel entrou para o programa com o passado mal resolvido”.

“Levei uma tampa nacional”

Apesar de a relação não ter funcionado, já consegue ver algo de positivo nesta experiência: Eu levei uma tampa nacional e não tive sequer um amigo ao meu lado, então tive que ir buscar forças e confiança em mim e validar muito mais a Daniela do que validava antes, tive mesmo que ir buscar essa auto validação. Isso foi muito bonito porque foi um processo muito meu, muito interno. Eu já me achava forte, mas depois percebi que era ainda mais forte que aquilo que pensava. No entanto, é algo que consegue ver agora, com mais distância: É bom agora que passou e que tiro ‘o sumo’, mas sofri imenso. Eu engordei imenso neste programa, porque estava super desregulada e emocionalmente estava um caco. (…) Saí pior do que entrei. Entrei com um sorriso e saí muito séria, muito precavida. Mas já passou, já cá está o sorriso outra vez”.

“Agora vejo cá fora e sinto-me um bocadinho enganada. Agora pergunto-me porque é que o Daniel ficou até ao fim”, conta Daniela. “Se não gostas de uma pessoa, porque é que ficas até ao fim? Porque é que fazes uma renovação de votos em que dizes ‘não consigo imaginar a minha vida sem ti’, porque ele disse-me isso em lágrimas, pediu-me uma segunda oportunidade antes de renovarmos. Para três dias depois não me responder às mensagens… é muito bizarro, é muito estranho”.

Com base na sua experiência, Daniela deixa um conselho às pessoas que considerem participar num próximo ‘Casados à Primeira Vista’: “Busquem dentro de si se estão preparados para esta experiência e o qual a razão que os leva a fazê-la. Ir com coisas mal resolvidas e ir com planos delineados do que é que se vai fazer nunca é bom, porque vai estar outro ser humano ali, se calhar de coração escancarado, à procura do amor com toda essa inocência e isso é mais importante do que qualquer outra razão. É importante ir só com boas intenções, porque há ali outro ser humano e pode ser muito devastador”.

Veja o vídeo abaixo