Kevin Hart foi convidado para apresentar a 91ª edição dos Óscares da Academia de Hollywood e... deitou tudo a perder! Três dias depois de ter sido o escolhido para conduzir a grande noite, o comediante norte-americano trouxe a público a decisão de se afastar.

A verdade é que Kevin Hart já não vai apresentar os Óscares porque rebentou uma polémica em volta de vários Tweets com piadas consideradas homofóbicas. Os comentários infelizes foram publicados entre 2009 e 2011. Em 2018, valeram-lhe um retratamento público e em 2019... bem, ainda não há apresentador para os Óscares!

Recorde-se que, numa publicação de 2011, Hart chegou a dizer que se o seu filho quisesse brincar com uma casa de bonecas ele próprio partir-lhe-ia o brinquedo e dir-lhe-ia para parar porque era “gay”.

No Instagram, Kevin explicou: “Recebi uma chamada da Academia em que me pediam para pedir desculpa pelos tweets ou então teriam de encontrar um novo apresentador. Escolhi passar e não fazer o pedido de desculpas. E a razão pelo qual não o faço é porque já falei nisto várias vezes, não é a primeira vez que isto acontece, já apontei o que estava certo e errado, já esclareci quem eu sou agora em comparação com quem fui outrora. Já o fiz. Não continuarei a ir ao passado”.

Depois, o humorista voltou ao Twitter e, entre as “sinceras desculpas” que dirigiu à comunidade LGBTQ pelas suas “palavras insensíveis” do passado, acrescentou que não pretende ser uma “distracção” na noite onde só os artistas devem brilhar.

Apesar de toda a polémica, o norte-americano de quase 40 anos que, anteriormente, tinha apelidado o convite de “oportunidade de uma vida” sente-se grato pela chance inicial e, nas redes sociais, chegou a publicar um vídeo onde garantia: “Esforço-me todos os dias para espalhar optimismo todos os dias”.

Curiosamente, também em 2011, aconteceu algo caricato e muito semelhante: Eddie Murphy desistiu de apresentar a gala de 2012, por solidariedade com o realizador Brett Ratner que foi afastado da produção dos Óscares por ter proferido um insulto homofóbico.

Lembra-se da famosa hashtag de 2015? #OscarsSoWhite relembrava que faziam falta, não só na gala como na indústria cinematográfica, pessoas de outras cores e com outras características.

Kevin Hart seguir-se-ia ao anfitrião Jimmy Kimmel e seria o quarto apresentador negro no historial dos Óscares, depois de Chris Rock, Whoopi Goldberg e Sammy David Jr.