Mariah Carey

Mariah Carey

Axelle/Bauer-Griffin

Mariah Carey foi diagnosticada com transtorno bipolar pela primeira vez em 2001, depois de ser hospitalizada na sequência de um colapso nervoso. Agora, em entrevista à revista People, confessa que nem sempre aceitou essa realidade, que “não queria acreditar” e que pensava que se tratava “apenas de um problema com o sono”, uma vez que sofria de grandes insónias. "Vivia em negação, isolamento e constante medo que alguém pudesse expor-me", explica a artista, de 48 anos, acrescentando: "Foi um fardo demasiado pesado para carregar e simplesmente não o aguentava mais. Procurei ajuda e recebi tratamento".

Desde então, Mariah Carey tem medo de ter recaídas e, por isso, é acompanhada por profissionais, como conta: "Atualmente, estou com uma medicação que me parece muito boa. Não me sinto cansada, nem nada parecido. O mais importante é encontrar um equilíbrio".

Nesta entrevista, a cantora assume que decidiu quebrar o silêncio ao fim de tantos anos para ajudar outras pessoas que possam estar na mesma situação. "Sinto-me muito bem neste momento, sinto-me confortável a falar das minhas batalhas. Espero que consigamos chegar a um momento em que possamos falar sobre isto sem existir nenhum estigma. A doença não tem de nos definir e eu recuso que ela me defina ou que me controle”, afirma.