1 / 48

JOAO MARIA C

2 / 48

JOAO MARIA C

3 / 48

JOAO MARIA C

4 / 48

JOAO MARIA C

5 / 48

JOAO MARIA C

6 / 48

JOAO MARIA C

7 / 48

JOAO MARIA C

8 / 48

JOAO MARIA C

9 / 48

JOAO MARIA C

10 / 48

JOAO MARIA C

11 / 48

JOAO MARIA C

12 / 48

JOAO MARIA C

13 / 48

JOAO MARIA C

14 / 48

JOAO MARIA C

15 / 48

JOAO MARIA C

16 / 48

JOAO MARIA C

17 / 48

JOAO MARIA C

18 / 48

JOAO MARIA C

19 / 48

JOAO MARIA C

20 / 48

JOAO MARIA C

21 / 48

JOAO MARIA C

22 / 48

JOAO MARIA C

23 / 48

JOAO MARIA C

24 / 48

JOAO MARIA C

25 / 48

JOAO MARIA C

26 / 48

JOAO MARIA C

27 / 48

JOAO MARIA C

28 / 48

JOAO MARIA C

29 / 48

JOAO MARIA C

30 / 48

JOAO MARIA C

31 / 48

JOAO MARIA C

32 / 48

JOAO MARIA C

33 / 48

JOAO MARIA C

34 / 48

JOAO MARIA C

35 / 48

JOAO MARIA C

36 / 48

JOAO MARIA C

37 / 48

JOAO MARIA C

38 / 48

JOAO MARIA C

39 / 48

JOAO MARIA C

40 / 48

JOAO MARIA C

41 / 48

JOAO MARIA C

42 / 48

JOAO MARIA C

43 / 48

JOAO MARIA C

44 / 48

JOAO MARIA C

45 / 48

JOAO MARIA C

46 / 48

JOAO MARIA C

47 / 48

JOAO MARIA C

48 / 48

JOAO MARIA C

É o seu sexto livro e escolheu apresentá-lo em no El Corte Inglês, em Lisboa, esta quarta-feira. Pedro Boucherie Mendes escreveu O Agosto do Desassossego , um misterioso thriller sobre um serial killer português que mata em nome de Fernando Pessoa. O livro foi apresentado por Luís Pedro Nunes, com quem partilha o Irritações, na SIC Radical, e atraiu amigos, familiares e colegas de profissão.

O policial liga o grande incêndio no Chiado de 1988, em Lisboa, e o Livro do Desassossego de Fernando Pessoa. O autor tem ali mesmo uma estátua, colocada meses antes do incidente, para assinalar os 100 anos do seu nascimento. A obra foi assinada por Bernardo Soares (semi-heterónimo do autor) e é fragmentária, atraindo naturalmente o thriller.

"Um policial é um bom condutor de histórias", começa por dizer o diretor da SIC Radical ao Fama Show. A ideia de Pessoa surge porque é suficientemente fascinante e multifacetado e pode servir os interesses de alguém que deseja escrever um livro deste género. A famosa obra fragmentária serve também de "inspiração para o vilão" de O Agosto do Desassossego despistar a polícia no enredo que Boucherie Mendes criou.

"A ficção pode também perpetuar o que se passou connosco, neste caso, a memória do incêndio, a história do bairro e a obra de Fernando Pessoa", disse para a plateia. O mundo dos policiais é apetecível e, também ele, recheado de lugares comuns, muitos que o autor se quis desviar.

"O primeiro lugar comum que eu quis evitar é o leitor não estar na posse dos indícios todos para resolver a própria história. Não acredito nas obras em que o culpado chega apenas no fim, há uma responsabilidade para com o leitor, pelo tempo que ele despende", garante.

A parte mais difícil do processo de escrita? A reescrita. “Há sempre coisas que nos pareceram uma ótima ideia, mas quando as reescrevemos passados 15 dias, achamos que é a pior ideia do mundo e temos que lutar contra as inseguranças naturais na construção de uma história e contra nós mesmos", explica.

Conta que o processo é solitário e que quando entrega o manuscrito (este é o seu sexto livro), a ligação emocional finda-se, nem que seja para “a pessoa manter-se sã”. Espreite acima as fotografias e os nomes que marcaram presença no evento como Francisco Pedro Balsemão, Daniel Oliveira, Vanessa Fino Tierno e Daniel Cruzeiro.